Vida social ativa poderá diminuir risco de diabetes tipo 2?Notícias de Saúde

Quinta, 21 de Dezembro de 2017 | 27 Visualizações

Fonte de imagem: ISHN

Um novo estudo demonstrou que levar uma vida social ativa está correlacionado com um menor risco de diabetes de tipo 2.
 
O estudo conduzido por uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Maastricht, Holanda, teve como base a análise de dados recolhidos do Estudo de Maastricht, um estudo observacional de grandes dimensões que tem como objetivo analisar os fatores de risco genéticos e ambientais envolvidos na diabetes de tipo 2.
 
Os investigadores analisaram dados clínicos de 2.861 adultos do Estudo de Maastricht, com idades compreendidas entre os 40 e os 75 anos.
 
Dos participantes, 1.623 não tinham diabetes, 430 tinham pré-diabetes, ou seja, índices de açúcar no sangue anormais, mas ainda não classificáveis como sendo de diabetes, 111 tinham sido recentemente diagnosticados com diabetes e 697 tinham um diagnóstico pré-existente de diabetes.
 
Como resultado da análise, os investigadores encontraram uma correlação intrigante entre as vidas sociais dos participantes e a possibilidade de os mesmos terem diabetes, o que os levou a ponderar numa relação potencial entre a vida social e o risco de desenvolvimento da doença.
 
Foi efetivamente verificado que os indivíduos que não participavam em atividades de clubes ou que não pertenciam a grupos sociais apresentavam uma predisposição 60% mais elevada de terem pré-diabetes.
 
Stephanie Brinkhues, investigadora principal do estudo, comentou os resultados: “somos os primeiros a determinar a associação de uma grande variedade de características das redes sociais – como apoio social, tamanho da rede ou tipo de relacionamentos – a diferentes estádios da diabetes de tipo 2. Os nossos achados suportam a ideia que resolver o isolamento social poderá ajudar a prevenir o desenvolvimento de diabetes de tipo 2”.
 
“Os grupos de alto risco para a diabetes de tipo 2 deveriam aumentar a sua rede e serem encorajados a fazerem novos amigos, assim como a tornarem-se membros de um clube, como uma organização de voluntariado, um clube de desporto ou um grupo de debates”, acrescentou Miranda Schram, coautora do estudo.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na “BMC Public Health”

Notícias Relacionadas