Viagra e vacina contra gripe conseguem travar o cancro?Notícias de Saúde

Quinta, 24 de Maio de 2018 | 31 Visualizações

Fonte de imagem: Cordial Exames

Uma equipa de investigadores descobriu que uma combinação farmacológica pouco usual poderá constituir um poderoso aliado contra a prevenção de metástases após cirurgia para remover tumores.
 
A combinação que inclui um fármaco para a disfunção erétil e uma vacina para a gripe, demonstrou ser eficaz no fortalecimento do sistema imunitário num estudo conduzido por investigadores da Universidade de Otava, Canadá.
 
Com efeito, a equipa relatou que a combinação de tadalafil (Cialis), sildenafil (Viagra) e uma versão inativada da vacina Agriflu para a gripe conseguiram reduzir a formação de metástases em ratinhos que tinham sido submetidos a cirurgia em mais de 90%.
 
Rebecca C. Auer, autora sénior do estudo, explicou que a cirurgia é bastante eficaz na remoção de tumores sólidos. No entanto, existe um senão, que é o facto de as intervenções cirúrgicas ao cancro poderem também bloquear a capacidade de o sistema imunitário eliminar células cancerígenas remanescentes, que podem, como se sabe, formar metástases.
 
As metástases são responsáveis pela grande maioria de mortes por cancro e são a razão principal pela qual é considerado uma doença tão grave.
 
A cirurgia ao cancro pode enfraquecer o sistema imunitário através da alteração da função das células “natural killer” (NK), que são glóbulos brancos que exterminam as células das metástases do cancro. Foi demonstrado que a cirurgia ao cancro pode enfraquecer a função das células NK até um mês após o procedimento. 
 
Este estudo revelou que os fármacos para a disfunção erétil evitam o enfraquecimento das NK e a vacina para a gripe oferece-lhes força adicional. A equipa efetuou várias combinações farmacológicas e contou as metástases resultantes nos pulmões de ratinhos submetidos a cirurgia. 
 
Foi observado que, em média, sem cirurgia, o cancro conduziu à formação de 37 metástases; a cirurgia sem fármacos ou vacina resultou em 129 metástases; os que receberam um fármaco para a disfunção erétil após cirurgia tiveram 24 metástases; a administração de um fármaco para a disfunção erétil e vacina resultou em apenas 11 metástases.
 
A autora sénior do estudo revelou estar muito satisfeita com os resultados e que se forem confirmados em ensaios clínicos, esta poderá ser a primeira estratégia de resolução de problemas imunitários causados pela cirurgia ao cancro.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “OncoImmunology”

Notícias Relacionadas