Vacina comum pode proteger contra leucemia infantilNotícias de Saúde

Segunda, 25 de Maio de 2015 | 71 Visualizações

A vacina do HIB faz parte do Plano Nacional de Vacinação e é administrada em quatro doses

Cientistas norte-americanos descobriram que uma vacina comumente administrada em crianças para prevenção de otites e da meningite (e que faz parte do programa de vacinação nacional) pode reduzir o risco de leucemia linfoblástica aguda (LLA), o tipo mais frequente de cancro infantil. 

De acordo com um estudo realizado pela Universidade da Califórnia (UCSF) - São Francisco, nos EUA, a vacina do HIB ("Haemophilus influenza tipo b"), que protege contra doenças causadas pela bactéria com o mesmo nome e integra o Plano Nacional de Vacinação português, consegue, também, prevenir a LLA.

Embora já tivesse sido estabelecido em vários estudos epidemiológicos, este caráter protetor da vacina contra a leucemia é ainda pouco conhecido do público em geral e só agora os investigadores conseguiram entender qual o mecanismo que o explica, mecanismo esse que revelaram no trabalho publicado na última segunda-feira na revista científica Nature Immunology. 

Segundo os cientistas, muitos bebés apresentam, à nascença, na corrente sanguínea, os chamados "oncogenes", ou seja, genes com potencial para provocar cancro, apesar de apenas um em cada 10.000 recém-nascidos desenvolver a doença. 

As infeções recorrentes com o virus HIB levam, porém, a que que determinados genes do sistema imunitário entrem em sobrecarga, convertendo estas células sanguíneas "pré-leucemia" em cancro, o que justifica o aparecimento da patologia.

Os investigadores da UCSF decidiram, portanto, avaliar o risco de a inflamação crónica causada por infeções recorrentes provocar "danos colaterais" (as chamadas lesões genéticas) nas células sanguíneas que já transportam "oncogenes", promovendo a sua transformação numa efetiva doença oncológica. 

Equipa vai também analisar vacinas contra infeções virais

Em experiências com ratinhos, a equipa analisou duas enzimas conhecidas como AID e RAG, que, por norma, são necessárias para uma resposta imunitária normal mas, em casos de infeção crónica, se tornam "hiperativas", levando a mutações genéticas aleatória e a uma reação exagerada do sistema imunitário e abrindo, consequentemente, portas ao cancro. 

É aqui que entra a vantagem da vacinação: ao serem vacinadas, as crianças ficam "amplamente protegidas e adquirem uma maior imunidade a longo-prazo", uma vez que as vacinas previnem as infeções, reduzindo a frequência das reações "recorrentes e veementes" do sistema imunitário que, muitas vezes, desencadeiam a leucemia.

"Estas experiências ajudam a explicar por que razão a incidência da leucemia se tem reduzido drasticamente desde o advento das vacinações regulares na infância", sublinha Marcus Müschen, professor de Medicina Laboratorial da USCF, em comunicado. 

Apesar de terem estudado, especificamente, as infeções por HIB - infeções bacterianas - os cientistas acreditam que é possível que os mesmos mecanismos se observem em infeções virais.

Por essa razão, a equipa está, neste momento, a realizar testes para apurar se vacinas como, por exemplo, a "Tríplice Viral" (vacina conjunta contra o Sarampo a Rubeóla e a Papeira), podem, também, proteger contra a leucemia. 

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês).

Partilhar esta notícia
Referência
revista científica Nature Immunology

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados