Uso diário de cigarros eletrónicos duplica risco de ataque cardíacoNotícias de Saúde

Sábado, 06 de Outubro de 2018 | 6 Visualizações

Fonte de imagem: Penn State

Um novo estudo descobriu que o uso diário de cigarros eletrónicos pode quase fazer duplicar a possibilidade de ataque cardíaco.
 
Conduzido por uma equipa de investigadores da Universidade da Califórnia em San Francisco, EUA, o estudo teve por base a análise de entrevistas efetuadas a 69.452 pessoas, dos quais 9.352 eram fumadores atuais, ou tinham sido anteriormente, de cigarros eletrónicos.
 
Os participantes tinham sido questionados em 2014 e 2016 sobre o seu uso de cigarros eletrónicos e/ou cigarros convencionais. Os investigadores perguntaram ainda aos indivíduos se algum profissional de saúde ou médico lhes tinham dito que tinham tido um ataque cardíaco.
 
Foi apurado que 333, ou seja, 3,6% dos ex-fumadores e fumadores atuais de cigarros eletrónicos tinham tido um ataque cardíaco, sendo que o número aumentava para 6,1% nos participantes daquele grupo que usavam aquele tipo de cigarros diariamente.
 
A análise indicou ainda que 25% dos 2.259 participantes que eram utilizadores atuais de cigarros eletrónicos tinham sido fumadores de cigarros convencionais e cerca de 66% dos utilizadores atuais de cigarros eletrónicos eram também fumadores atuais de cigarros convencionais.
 
A equipa concluiu que a possibilidade total de um ataque cardíaco era mais ou menos a mesma para os participantes que continuavam a fumar diariamente como para os que tinham passado a usar diariamente cigarros eletrónicos. 
 
Porém, nos indivíduos que usavam ambos os produtos diariamente, a possibilidade de sofrerem um ataque cardíaco era 4,6 vezes superior em relação a quem não usava nenhum dos produtos.
 
Os autores apuraram que enquanto o risco de ataque cardíaco em ex-fumadores de cigarros eletrónicos não era significativo, nos ex-fumadores de cigarros convencionais, o mesmo risco prolongou-se, o que sugere que esse risco se dissipa rapidamente quando se deixa de usar cigarros eletrónicos.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “American Journal of Preventive Medicine”

Notícias Relacionadas