Uso de múltiplos dispositivos digitais associado a risco de obesidadeNotícias de Saúde

Quarta, 10 de Abril de 2019 | 11 Visualizações

Fonte de imagem: Marketing Land

O uso alternado de “smartphones”, “tablets” e outros dispositivos digitais móveis foi associado a um maior risco de obesidade, foi o resultado de um novo estudo.
 
O estudo evidenciou uma associação entre o uso excessivo e intercalado de vários dispositivos digitais e uma maior suscetibilidade para se ceder a tentações e à perda de controlo em relação à alimentação. Isto pode causar um aumento de peso.
 
Conduzido por uma equipa de investigadores liderados por Richard Lopez da Universidade Rice, EUA, o estudo consistiu em duas partes.
 
Numa primeira parte, os cientistas recrutaram 132 jovens com 18 a 23 anos de idade, aos quais foi pedido que respondessem a um questionário que avalia os índices de multiuso e de distração devida a dispositivos de media.
 
Foi observada uma associação entre os índices mais elevados de multiuso e distração com dispositivos digitais e uma maior percentagem de gordura corporal e índice de massa corporal (IMC) mais elevado.
 
Na segunda parte, 72 participantes do estudo anterior foram convidados a fazerem uma ressonância magnética funcional, durante a qual os investigadores mediam a atividade cerebral enquanto eram mostradas várias imagens aos jovens. As imagens incluíam uma variedade de fotografias que não eram interrelacionadas, incluindo comida apetitosa e calórica.
 
Quando eram exibidas as imagens de comida aos participantes, estes exibiam uma maior atividade na parte do cérebro relacionada com a tentação em relação a alimentos. Estes participantes possuíam um IMC e gordura corporal mais elevados e uma maior tendência para passarem tempo em cafés.
 
Richard Lopez indicou que estes achados sugerem que existe realmente uma associação entre o multiuso de dispositivos digitais, o risco de obesidade, diferenças no cérebro relativamente ao autocontrolo e reação a tentações alimentares. 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na “Brain Imaging and Behavior”

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados