Uso de esteroides anabolizantes associados a morte prematura em homensNotícias de Saúde

Segunda, 26 de Novembro de 2018 | 419 Visualizações

Fonte de imagem: News on Heart.

Um estudo recente apurou que os homens que usam esteroides androgénicos anabolizantes (EAA), como a testosterona, poderão correr um maior risco de morte prematura e necessidade de cuidados hospitalares.
 
Calcula-se que a prevalência de abuso dos EAA, ao longo da vida, seja de cerca de 6% nos homens. 
 
No entanto, pouco se sabe sobre os efeitos secundários destes fármacos, o que levou uma equipa de investigadores liderada por Henrik Horwitzd, da Universidade de Copenhaga, Dinamarca, a estudar os efeitos sobre a mortalidade e morbilidade destes fármacos nos seus utilizadores.
 
Para a sua investigação, a equipa identificou 545 homens que usavam EAA, e que foram comparados a 5.450 homens que serviram como controlos. Adicionalmente, os investigadores replicaram a sua coorte com 644 homens que tinham recebido sanções por se recusarem a fazer testes de “doping”, que foram comparados a 6.440 controlos. 
 
Os participantes foram acompanhados durante uma média de 7,4 anos. 
 
Durante o período de acompanhamento, registaram-se sete mortes, (correspondentes a 1,3%) entre os utilizadores de EAA e 23 mortes (0,4%) entre os participantes do grupo de controlo, o que significa um risco três vezes maior de morte associada ao uso dos fármacos. 
 
Em termos de necessidade de cuidados hospitalares, o número de contactos médios anuais foi de 0,81 vezes no grupo dos utilizadores dos EAA, e de 0,36 vezes no grupo dos controlos.
 
Foi ainda observado que mais de 10% dos homens no grupo dos utilizadores dos EAA apresentavam disfunção erétil, acne e ginecomastia (aumentos das glândulas mamárias masculinas), e a prevalência destes problemas era significativamente maior neste grupo em comparação com o de controlo. 
 
Foram observados resultados semelhantes da coorte com os homens que tinham recebido as sanções.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na “Journal of Internal Medicine”