Uma gota de sangue para detetar cancro da próstata agressivoNotícias de Saúde

Quarta, 14 de Junho de 2017 | 16 Visualizações

Fonte de imagem: Broad Institute

Uma equipa de investigadores desenvolveu um novo teste que consegue prognosticar com precisão o cancro da próstata agressivo.
 
Num estudo conduzido por uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina e de Medicina Dentária da Universidade de Alberta, Canadá, o teste foi desenvolvido com base numa plataforma de nanotecnologia única que requer uma única gota de sangue e oferece muito mais precisão do que os métodos de rastreio atuais. 
 
O teste foi denominado “Extracellular Vesicle Fingerprint Predictive Score” (EV-FPS) e utiliza a aprendizagem de máquina para combinar informação oriunda de milhões de nanopartículas de células cancerígenas no sangue de forma a reconhecer a impressão única do cancro da próstata agressivo. 
 
O EV-FPS foi testado num grupo de 377 homens canadianos que tinham sido referenciados para um urologista com suspeita de cancro da próstata. Foi observado que o novo teste conseguiu identificar os pacientes com cancro da próstata agressivo com 40% mais de rigor do que o conhecido e normalmente utilizado PSA (Antígeno Prostático Específico).
 
“Uma maior sensibilidade quer dizer que o nosso teste irá falhar na deteção de menos cancros agressivos”, disse John Lewis, da Universidade de Alberta, que acrescentou ainda que este tipo de teste deve oferecer a máxima sensibilidade possível de forma a que não escape de tratamento nenhum caso de cancro. 
 
Segundo o urologista canadiano Adrian Fairey, a informação mais rigorosa oferecida pelo novo teste pode ser utilizada pelos médicos para determinarem quais são os pacientes que deveriam ser submetidos imediatamente a uma biópsia à próstata e quais são os que não necessitam da biópsia.
 
Os investigadores explicaram que os testes utilizados atualmente, como o PSA, e o exame retal digital originam frequentemente biópsias dolorosas desnecessárias, e que podem provocar infeções ou septicemia. 
 
John Lewis explicou que mais de 50% dos homens submetidos a biópsia não têm cancro da próstata e que são menos de 20% os homens que apresentam uma forma agressiva da doença.
 
Calcula-se que se o teste EV-FPS for implementado com sucesso, só na América do Norte, serão efetuadas, anualmente, até menos 600.000 biópsias desnecessárias, menos 24.000 hospitalizações e até menos 50% de tratamentos desnecessários para o cancro da próstata. 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo apresentado no congresso ISEV2017, Toronto, Canadá

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados