Um terço dos pacientes com cancro usa medicina alternativa e complementarNotícias de Saúde

Quarta, 17 de Abril de 2019 | 13 Visualizações

Fonte de imagem: Skeptical Raptor

Um estudo recente apurou que um terço dos pacientes com cancro nos EUA usa medicina alternativa e complementar, como meditação, ioga, acupuntura, suplementos e medicamentos naturais.
 
Os investigadores do estudo, do Centro Médico Southwestern da Universidade do Texas, EUA, analisaram informação recolhida de uma sondagem sobre saúde nos EUA. Os dados revelaram que o tipo de medicina alternativa mais comum eram os suplementos de origem natural, seguidos de manipulação osteopática ou quiroprática.
 
Segundo os resultados do estudo, 29% dos pacientes que usavam aquele tipo de tratamentos não o tinham comunicado ao seu médico oncologista, tendo muitos argumentado que o médico não tinha perguntado ou que achavam que o médico não precisava de saber.
 
“Os pacientes mais jovens têm maior tendência a usar medicinas complementares e alternativas e mais as mulheres, mas eu achava que mais pessoas diriam aos seus médicos”, indicou Nina Sanford, investigadora neste estudo.
 
A investigadora e médica oncologista, assim como outros especialistas em cancro, consideram os achados preocupantes, especialmente no que respeita aos suplementos de ervas medicinais. 
 
“Não se sabe o que contêm”, disse. “Alguns destes suplementos são uma espécie de mistura de coisas diferentes. Se não se sabe o que contêm, eu recomendaria aos pacientes que evitem usá-los durante a radiação porque provavelmente não existe informação sobre certos suplementos que poderiam interferir com o tratamento. Com a radiação, especificamente, há a preocupação de níveis muito elevados de antioxidantes tornarem a radiação menos eficaz”.
 
Sobre o uso de suplementos naturais pelos doentes com cancro, David Gerber do Centro Médico de Southwestern, afirmou que “podem interagir com os medicamentos que lhes damos e através dessa interação poderia mudar o nível de medicamentos no paciente”.
 
“Se os níveis ficarem demasiado elevados, as toxicidades aumentam, e se os níveis ficarem demasiado baixos, a eficácia diminui”, acrescentou.
 
Relativamente à recusa de tratamentos convencionais para o cancro e o uso de medicina alternativa apenas, Tina Sanford lembrou o caso de Steve Jobs, que após ter sido diagnosticado com um cancro do pâncreas em estado inicial, usou apenas dietas especiais, acupuntura e outros métodos alternativos, recusando a medicina convencional, acabando por morrer.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “JAMA Oncology”

Notícias Relacionadas