Tumores: apenas uma pequena minoria das células contribui para o crescimentoNotícias de Saúde

Sexta, 05 de Fevereiro de 2016 | 36 Visualizações

Fonte de imagem: pixabay

Investigadores suecos demonstraram que uma pequena minoria de células nos tumores neuroendócrinos do pâncreas contribui para o crescimento e metastização do tumor, dá conta um estudo publicado nos “Proceedings of the National Academy of Sciences”
 
O cancro aparece quando as mutações e outras alterações genéticas “desligam” o sistema de controlo do crescimento que habitualmente está presente nas células. Acreditava-se que todas as células cancerígenas de um tumor tinham o mesmo potencial para crescerem e metastizarem. Contudo, estudos recentes demonstraram que os tumores são compostos por vários tipos de células cancerígenas com diferentes alterações genéticas.
 
De acordo com o líder do estudo, Kristian Pietras, o facto de existirem tantos tipos diferentes de células num único tumor pode explicar por que motivo apenas algumas células são capazes de metastizar, e porque alguns pacientes sofrem recidivas apesar de serem expostos a tratamentos prolongados.
 
Tumores neuroendócrinos é um nome genérico dado a um tipo de tumor que são produtores de hormonas. No estudo os investigadores do Instituto de Karolinska e da Universidade de Lund, na Suécia, verificaram que nos tumores neuroendócrinos do pâncreas, uma pequena minoria de células contribui significativamente para o crescimento do tumor.
 
“Estas células representam menos de um por cento do total das células do tumor, essencialmente controlam a capacidade do tumor crescer e de metastizar”, revelou, em comunicado de imprensa, uma outra autora do estudo, Eliane Cortez.
 
A PDGFD é um tipo de proteína secretada pelos vasos sanguíneos do tumor que envia sinais para o recetor, o PDGFRβ, que se encontra localizado na superfície de uma pequena percentagem de células cancerígenas. Por sua vez, esta minoria de células cancerígenas secretam fatores de crescimento para outras células no tumor, o que resulta no crescimento de todo o tumor.
 
Através de estudos realizados em animais, os investigadores desativaram a PDGFD, o que fez com que o crescimento de todo o tumor diminuísse significativamente, apesar desta medida apenas ter tido um impacto direto numa percentagem muito pequena de células tumorais. A sinalização da PDGFD via o PDGFRβ já tinha sido descrita noutros tecidos e tumores, mas nunca neste tipo de cancro.
 
Esta descoberta é muito importante uma vez que aumenta a compreensão de como um tumor é composto por diferentes tipos de células cancerígenas com diferentes funções. De forma a compreender o nível de agressividade de um tumor, é importante descrever com precisão a sua estrutura, bem como a existência de pequenas populações de células cancerígenas que podem ter um grande impacto no crescimento global do tumor.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado nos “Proceedings of the National Academy of Sciences”

Notícias Relacionadas