Trazodona associada a risco de quedas e fraturas em idosos com demênciaNotícias de Saúde

Quarta, 28 de Novembro de 2018 | 5 Visualizações

Fonte de imagem: Health Matters

A toma de trazodona por idosos com demência dá origem a riscos semelhantes aos dos fármacos antipsicóticos, demonstrou um novo estudo.
 
Atualmente, tem havido alguma preocupação relativamente ao uso dos antipsicóticos em idosos com demência pois esta classe de fármacos está associada a problemas graves, como enfarte do miocárdio, pneumonia por aspiração e morte.
 
Neste âmbito, têm surgido diretrizes a recomendar o uso dos antipsicóticos apenas para tratar doenças psicóticas crónicas, evitando o uso dos mesmos nos idosos com demência. Estes fármacos são frequentemente substituídos pela trazodona. Contudo, não se conhece bem os potenciais riscos da trazodona naquela população.
 
Foi precisamente o que procuraram apurar Jennifer Watt e colegas do Hospital St. Michael, em Toronto, Canadá.
 
A equipa analisou dados relativos a 6.588 idosos que tinham começado a tomar trazodona, e outros 2.875 idosos que tinham começado a tomar antipsicóticos atípicos. Os participantes tinham mais de 66 anos de idade, apresentavam demência e foram seguidos relativamente à incidência de quedas e fraturas.
 
Foi apurado que os pacientes que estavam a tomar trazodona sofreram um índice de quedas e de fraturas graves, incluindo na anca, semelhante ao do grupo que estava a tomar os antipsicóticos atípicos. No entanto, a trazodona foi associada a um menor risco de morte nos pacientes.
 
“Esperamos que esta informação possa ser usada em conversas que os pacientes e prestadores de cuidados tenham com os médicos sobre os benefícios e riscos de diferentes opções de tratamento”, disse Jennifer Watt.
 
Entretanto, a equipa sublinhou a importância de dar prioridade a abordagens não farmacológicas para a demência, que incluem uma variedade de intervenções comportamentais, ambientais e de suporte por parte dos prestadores de cuidados.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “CMAJ”

Notícias Relacionadas