Teste sanguíneo pode prever complicações na gravidezNotícias de Saúde

Quarta, 26 de Outubro de 2016 | 14 Visualizações

Fonte de imagem: NetDoctor

Uma proteína encontrada no sangue das mulheres grávidas pode ser utilizada para desenvolver um teste para determinar a saúde do bebés, bem como ajudar nos partos eletivos (marcados com antecedência), revela um estudo publicado na revista “Nature Genetics”. 

O estudo, liderado pelos investigadores da Universidade Queen Mary, no Reino Unido, realizado em ratinhos e em mulheres grávidas apurou que os níveis baixos de um marcador sanguíneo conhecido por DLK1 eram capazes de prever um crescimento fetal fraco e a ocorrência de complicações na gravidez, podendo, desta forma, ser utilizado como um meio de diagnóstico pré-natal não invasivo.

Na opinião da investigadora é muito importante começar a desenvolver testes que forneçam ao obstetra mais informação antes do parto, para desta forma poderem intervir antes de as complicações atingirem um ponto crítico. 

A DLK1 é uma proteína que pode ser encontrada em níveis elevados no sangue da mãe durante a gravidez, tanto em seres humanos como em roedores. Contudo, pouco se sabe sobre a sua origem, o que faz e se fornece alguma informação sobre a saúde do feto.

No estudo, os investigadores começaram por utilizar ratinhos em que eliminaram o gene tanto no feto como na mãe, tendo, posteriormente, medido os níveis da DLK1 para determinar a sua fonte. 

Verificou-se que a proteína era proveniente do embrião, o que significa que os seus níveis no sangue materno podem fornecer uma leitura direta do estado biológico do bebé.

Posteriormente, foi analisado de que forma a DLK1 afetava o metabolismo dos ratinhos durante a gravidez. Ao longo de um jejum de 24 horas, os humanos iniciam um processo conhecido por cetose, no qual a dieta de Atkins se baseia, que consiste na utilização da energia armazenada sob a forma de gordura para manter o corpo em funcionamento.

O estudo apurou que, quando a DLK1 era inativada na gravidez dos animais, a resposta ao jejum era alterada, uma vez que o processo de cetose não era iniciado. Estes resultados indicam que a DLK1 desempenha um papel importante no fornecimento de energia para o feto, bem como para o seu crescimento. Adicionalmente, verificou-se que os níveis maternos desta proteína eram capazes de prever a massa corporal da descendência. 

Por último, os investigadores estudaram 129 mulheres grávidas, tendo avaliado os níveis da DLK1 no sangue e registado o resultados das gravidezes. Verificou-se que os níveis baixos de DLK1 estavam associados a uma redução do crescimento fetal, resultando em complicações na gravidez, incluindo um pobre fluxo sanguíneo através do cordão umbilical.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “Nature Genetics”

Notícias Relacionadas