Terapia de substituição da nicotina mais segura do que cigarros na gravidezNotícias de Saúde

Quarta, 13 de Dezembro de 2017 | 28 Visualizações

A terapia de substituição da nicotina (TSN) é mais segura do que os cigarros para as mulheres grávidas que não conseguem deixar de fumar, indica um novo estudo.
 
A TSN consiste em métodos clinicamente aprovados para ajudar na cessação tabágica. A TSN inclui vários tipos de substituição dos cigarros como adesivos, pastilhas elásticas, inaladores, pastilhas e sprays nasais. 
 
Embora estes métodos possuam nicotina, o estudo conduzido por investigadores da Universidade Ben-Gurion do Neguev, Israel, indicou que os mesmos parecem ser mais seguros para a mãe e o feto do que fumar em si.
 
“Fumar durante a gravidez é o fator de risco mais significativo e evitável relativamente a maus resultados na saúde materna e do bebé”, disse Yael Bar-Zeev, autora principal deste estudo.
 
“Os médicos em todo o mundo (…) relatam que prescrevem TSN em doses reduzidas devido à falta de confiança e de preocupação com a segurança. No entanto, o aconselhamento comportamental combinado com medicação constitui a estratégia mais eficaz de cessação tabágica”, argumentou a investigadora.
 
Os autores do estudo sugerem guiar-se pela força e frequência da compulsão para fumar para prescreverem o início e dosagem da TSN. Os investigadores acrescentam que os médicos deveriam encorajar as grávidas a usarem TSN oral em antecipação a sentirem a compulsão de fumar. 
 
Segundo a revisão de vários estudos, apesar das TSN conterem nicotina, não possuem nenhum dos 7.000 compostos químicos presentes nos cigarros, 300 dos quais são tóxicos e nocivos e 52 são cancerígenos. A saúde do bebé pode assim ser melhor, mesmo que a mãe não deixe de fumar, mas adote uma TSN pois não estará exposto aos químicos dos cigarros.
 
Os autores do estudo recomendam assim, que se eduque e treine os médicos no sentido de se sentirem mais confiantes e tenham mais conhecimento para a referenciação para serviços de cessação tabágica especializados, para que mais grávidas possam ser ajudadas a deixarem de fumar.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “The Medical Journal of Australia”

Notícias Relacionadas