Síndrome do Túnel do Carpo: nova técnica com taxa de sucesso perto dos 100%Notícias de Saúde

Quarta, 10 de Abril de 2013 | 838 Visualizações

A Síndrome do Túnel do Carpo é uma doença caracterizada pela constrição (aperto) de um dos mais importantes nervos da mão, o nervo mediano, por debaixo de um ligamento que se encontra na região palmar da mão, na zona do carpo, conhecido como o ‘ligamento anular do carpo’. Dores, formigueiros e adormecimentos na zona do punho, mãos e dedos, são alguns dos sintomas.

Esta intervenção é efetuada “sem cortes na palma da mão e sem recurso a instrumentos dispendiosos, permitindo uma cirurgia mais rápida e económica, proporcionando um período pós-operatório menos doloroso, uma recuperação mais rápida, menos efeitos secundários e reações adversas e uma cicatriz esteticamente próxima da perfeição, uma vez que a mesma, efetuada na zona da prega palmar distal do punho, se torna praticamente indetetável após alguns meses”, explicou à agência Lusa o cirurgião ortopedista Dinis Carmo.

Após ter sido aplicada com “uma taxa de sucesso muito próxima dos 100% em cerca de 160 pacientes portugueses”, Dinis Carmo explicou que esta nova técnica permite “uma considerável diminuição das dores incapacitantes a nível da palma da mão que caracterizam o período pós-operatório daquela patologia”.

A maior parte dos doentes “não sentem sequer a necessidade de tomar qualquer analgésico no pós-operatório”, disse

Segundo o cirurgião, este novo método é de “uma grande simplicidade técnica, o que motivou o interesse de colegas de vários países, nomeadamente de Espanha, França, Itália, Suíça e Brasil, em avançar, desde já, com pedidos do conjunto de instrumentos necessários à cirurgia”, revelou.

Os instrumentos cirúrgicos inventados por Dinis Carmo foram já alvo de um processo de patente apresentado junto do Instituto Nacional da Propriedade Industrial e da Organização Mundial de Propriedade Intelectual, encontrando-se em fase ‘pendente’ em todos os países da União Europeia, bem como no Brasil, Austrália, Canadá, Japão, China, Coreia do Sul, Estados Unidos da América, México, Índia e Israel.

“Continuamos à procura de parceiros comerciais capazes de participar connosco neste projeto, já temos alguns na área da produção e da distribuição, mas a verdade é que o processo ainda não está concluído”, admitiu o cirurgião.

Assim, a utilização desta nova técnica está, nesta fase, restrita ao seu inventor. “É muito difícil prever quando é que o processo ficará concluído e, pelo facto de já haver no mercado outros métodos, embora não com a mesma eficácia ou com a mesma elegância, a verdade é que isso atrasa a divulgação do projeto”, disse.

Banco da Saúde

Partilhar esta notícia
Autor
Univadis
Referência
cirurgião português