Seria um medicamento capaz de tratar a dislexia?Notícias de Saúde

Terça, 13 de Setembro de 2016 | 295 Visualizações

Fonte de imagem: Huffingtonpost

Intervenções de leitura têm sido a abordagem padrão para a dislexia em crianças. Contudo, estudos têm demonstrado que as melhores intervenções atuais na leitura produzem apenas um sucesso limitado. A farmacoterapia para o TDAH existe há mais de 75 anos, mas potenciais intervenções farmacológicas para pacientes com dislexia só começaram a ser exploradas agora. 

Os resultados de um novo e grande estudo controlado por placebo, publicados na edição atual do Journal of Child and Adolescent Psychopharmacology , mostraram que o estimulante atomoxetina, melhora as pontuações de leitura de pacientes apenas com dislexia e com TDAH e dislexia comórbida.

No estudo, crianças com inteligência normal entre 10 e 16 anos de idade que atenderam aos critérios DSM-IV-TR para apenas dislexia, TDAH com dislexia comórbida ou apenas TDAH foram tratadas com atomoxetina ou placebo durante 16 semanas.

Pacientes apenas com dislexia que foram tratados com atomoxetina apresentaram uma melhora significativamente maior em comparação com o placebo, com melhoras moderadas a altas nas habilidades básicas de leitura e no vocabulário de leitura. A atomoxetina também reduziu os sintomas de falta de atenção e hiperatividade/impulsividade no grupo de TDAH e dislexia comórbida em comparação com o placebo.  

Como os autores redigiram, “esses dados representam o primeiro relatório de melhora nas medidas de leitura após o tratamento farmacoterápico em pacientes apenas com dislexia avaliadas em um estudo randomizado duplo-cego”.

Partilhar esta notícia
Autor
Univadis
Referência

Notícias Relacionadas