Saúde: Os exames que a mulher deve fazer ao longo da vidaNotícias de Saúde

Terça, 08 de Março de 2016 | 140 Visualizações

Fonte de imagem: Pixabay.

Em dia de celebração do Dia Internacional da Mulher, o Lifestyle ao Minuto falou com o Dr. Joaquim Neves, especialista do Serviço de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital de Santa Maria, sobre a saúde da mulher.

A pensar nas mulheres de todas as idades, o Lifestyle ao Minuto pediu ao Dr. Joaquim Neves que destacasse quais são os exames ‘obrigatórios’ a fazer pela mulher em cada fase da vida (20, 30, 40, 50, 60 anos).

O especialista começa por ressalvar que os exames complementares em ginecologia dependem sempre de orientação médica ou de profissional de saúde com experiência na área da mulher.

Ainda assim, aos 20 anos e na presença de atividade sexual regular o exame recomendado é a pesquisa de clamidia e gonococos na urina/amostra do colo uterino. Sendo que a ecografia ginecológica deverá ser solicitada na presença de alterações das menstruações, dor pélvica ou se o exame objetivo detetar anormalidades.

Aos 30 anos a pesquisa dos Vírus do Papiloma Humano (HPV’s) de alto risco é preferível à citologia para rastreio do cancro do colo do útero e a ecografia ginecológica mantém as indicações anteriores. Nesta idade a eventual complementaridade da avaliação da mama é aceitável na presença de fatores de risco para o cancro da mama (sobretudo familiares de 1º grau ou tratamentos anteriores que podem aumentar o risco do mesmo cancro), destaca o Dr. Joaquim Neves.

Aos 40 anos, a pesquisa do HPV/citologia (preferível a pesquisa de HPV de alto risco tendo em conta a respetiva elevada sensibilidade), mamografia basal para descrição do perfil de densidade da mama, a ecografia ginecológica com as mesmas indicações. Sendo que nesta idade e nas mulheres com risco familiar de cancro colorretal (intestinos) deve ser realizada a primeira colonoscopia e posteriormente apesquisa anual de sangue oculto nas fezes.

Na casa dos 50 anos, a mamografia poderá ser solicitada anual/bianual de acordo com o risco clínico para cancro da mama, a pesquisa de sangue nas fezes (anual),pesquisa dos HPV’s de alto risco de preferência (se negativa repetir de 5 em 5 anos) e a ecografia ginecológica com as indicações referidas.

Chegando aos 60 anos, a mamografia mantém-se com as recomendações descritas, a pesquisa dos HPV’s de alto risco com a mesma sugestão assim como, a pesquisa de sangue nas fezes e a ecografia com indicações específicas.

Nesta idade existem outras preocupações não diretamente relacionadas com a função reprodutora mas relevantes na saúde global da mulher, e por isso deve ser feito o despiste da doença nodular e disfuncional de tiróide e o rastreio da hipovitaminose D. A avaliação da densidade mineral óssea é recomendada apenas nas mulheres na pós-menopausa e até os 65 anos se existirem fatores de risco (familiares do 1º grau; fratura da anca na família; tratamento com cortisona e medicamentos da tiróide; perda de peso; deficiência nutricional; radioterapia).

A partir dos 65 anos pelo menos um exame de avaliação da massa óssea deve ser solicitado.

Partilhar esta notícia
Referência