Saber comunicar más notícias em saúde é um agente terapêutico poderosoNotícias de Saúde

Quarta, 02 de Maio de 2018 | 6 Visualizações

Fonte de imagem: CyraCom

A comunicação com doentes, cuidadores e famílias deve ser encarada como uma intervenção farmacológica, defendeu a enfermeira Emília Fradique.
 
Segundo apurou a agência Lusa, num painel com o tema “Como dar más notícias”, integrado no Congresso dos Enfermeiros em Lisboa, a enfermeira considerou a comunicação “como um dos agentes terapêuticos mais poderosos”.
 
Emília Fradique considera que a comunicação com doentes, cuidadores e famílias pode ser comparada a um tumor, sendo benigna ou maligna, dependendo de como é feita. “A comunicação pode ter também metástases, que podem atingir o doente, as famílias e até os profissionais”, acrescentou.
 
Vários profissionais que intervieram na sessão consideraram que o ambiente hospitalar é “stressante” e pouco adequado a ter espaço e disponibilidade para gerir a forma como são transmitidas as más notícias, sejam elas uma doença terminal de um familiar ou até a própria morte.
 
A psicóloga Liliana Dias, também oradora na sessão, defendeu que é necessário “criar um contexto de privacidade” e de conforto para fazer esta comunicação, admitindo que atualmente nos hospitais nem sempre seja fácil consegui-lo. 
 
Além disso, lembrou que transmitir más notícias provoca “um grande dano emocional” aos profissionais, sendo uma “tarefa frequente, mas muito ‘stressante’”. “É mais difícil recuperar de um desgaste emocional do que de um desgaste físico”, notou, lembrando que profissionais em cansaço extremo têm menor capacidade de comunicação.
 
A enfermeira defendeu que o profissional que comunique “más notícias” deve ser detentor de toda a informação clínica da pessoa doente e deve ter participado do plano clínico.
 
É depois necessário perceber o que o doente ou o familiar já sabe sobre a situação, transmitir a informação de forma faseada, dar espaço à pessoa para expressar os seus sentimentos ou emoções e mostrar disponibilidade de acompanhamento.

Partilhar esta notícia
Referência

Notícias Relacionadas