Rótulos: o que deve saberNotícias de Saúde

Quarta, 15 de Abril de 2015 | 101 Visualizações

Perceber a informação que está presente no rótulo de um produto alimentar ajuda-nos a fazer escolhas mais saudáveis

O rótulo de um produto alimentar permite-nos conhecê-lo melhor e, assim, podermos fazer comparações e escolhas mais benéficas para a saúde. Apesar de nem sempre a informação nutricional ser obrigatória, a maior parte dos produtos alimentares exibem a composição nutricional no rótulo. Esta deve ser expressa por 100g ou por 100ml do produto alimentar, porção ou dose (sendo que, nesses casos, deve estar presente a indicação do número de doses/porções contidas no produto).

A legislação portuguesa determina também que os rótulos dos produtos alimentares incluam informação sobre os seguintes itens:

  • Denominação de venda

Nome do produto alimentar e, se for esse o caso, a que processos foi submetido. Por exemplo: leite pasteurizado, iogurte desnatado, etc.

  • Listagem de ingredientes

Devem constar todos os ingredientes que compõem o produto - por ordem decrescente de peso. Se o produto contiver aditivos químicos, estes devem ser mencionados na listagem de ingredientes e designados através da categoria, nome específico ou letra E seguida de um número com três algarismos. Também têm de constar na listagem alergénicos que entrem na composição do produto - glúten, leite, crustáceos, amendoim, entre outros.

  • Quantidade líquida

Pode ser expressa em gramas, litros ou as respetivas declinações. No caso de um produto mergulhado em líquido ou calda, o rótulo deve indicar também o peso do alimento escorrido (sem calda ou líquido).

  • Prazo de validade

Pode ser indicada a data limite de consumo, no caso de alimentos que se deterioram facilmente, ou a data de durabilidade mínima do produto - por exemplo "Consumir de preferência antes de...".

Existem alimentos cuja menção do prazo de validade é facultativa, como o açúcar, sal, entre outros.

  • Lote de fabrico

Se o rótulo indicar a data de validade com dia e mês, este item é facultativo.

  • Nome e morada da entidade

Identifica o responsável pela colocação do produto no mercado e por todas as informações mencionadas no rótulo.

  • Marca de salubridade comunitária

Apenas para produtos de origem animal. Compõe-se de três siglas no centro de uma forma oval: o nome do país ou o seu código internacional, o código da unidade industrial que fabrica/produz e a sigla da União Europeia.

Outros dados

A indicação das condições de conservação é obrigatória para os produtos que se degradam facilmente (como o leite do dia, iogurte, entre outros). O modo de utilização também deve ser indicado sempre que possa suscitar dúvidas ou se for essencial para evitar que o produto seja utilizado de forma incorreta.

Existem outras informações que podem figurar nos rótulos, como o código de barras (útil apenas para o fabricante, distribuidor ou local de venda do produto) ou a letra "e" (relacionada com a quantidade líquida do produto e que informa que o conteúdo declarado está conforme o que é permitido pela lei).

Quando o rótulo apresenta o logótipo que significa "ponto verde", quer dizer que o fabricante, embalador ou distribuidor do produto alimentar contribui financeiramente, num sistema de recolha seletiva, para que as suas embalagens sejam recolhidas, separadas e recicladas ou incineradas.

Informação nutricional

Dá a conhecer as características de composição dos alimentos. Na sua forma simples esta informação consiste em:

  • Valor energético Corresponde ao valor calórico do produto alimentar e consiste na soma das calorias (energia) fornecidas pelos glícidos, lípidos, proteínas, álcool, fibra, ácidos orgânicos, salatrim e polióis. O valor energético pode ser indicado em quilocalorias ou quilojoules.
  • Conteúdo em proteínas As proteínas encontram-se em alimentos de origem animal e vegetal (laticínios, ovos, leguminosas secas, carnes, aves, pescado, ...) e são responsáveis pelo crescimento, manutenção e regeneração das células, tecidos e órgãos.
  • Conteúdo em glícidos (hidratos de carbono) Os hidratos de carbono dão-nos energia. Os cereais e derivados, as leguminosas secas, tubérculos, fruta e açúcar de mesa são exemplo de hidratos de carbono.
  • Conteúdo em lípidos (gorduras) Os lípidos fornecem energia, protegem-nos do frio e fazem parte da constituição de algumas estruturas celulares. São exemplo de lípidos o azeite, manteiga, banha, natas, gorduras da carne, aves e pescado, margarinas, óleos, entre outros. O azeite deve ser a gordura de eleição para cozinhar e temperar os alimentos.

Alguns fabricantes optam por apresentar uma informação nutricional mais completa dos seus produtos, indicando o teor em açúcares, ácidos gordos saturados, sódio e fibras alimentares. Caso existam no produto, pode ser feita referência ao teor de amido, ácidos gordos (monoinsaturados e polinsaturados), colesterol, vitaminas e minerais.

A informação nutricional pode ainda ser apresentada através dos Valores Diários de Referência (VDR), valores estes determinados cientificamente.

Leitura do rótulo: ingredientes a evitar

Deve moderar (e sempre que possível evitar) o consumo de produtos alimentares cujos primeiros ingredientes na listagem presente no rótulo sejam: 

  • Sódio designado como "Na" - o consumo excessivo de sódio está associado ao desenvolvimento de patologias como a hipertensão. O sal de cozinha, alguns enlatados, produtos de charcutaria, molhos, refeições pré-cozinhadas e batatas fritas de pacote são exemplo de produtos alimentares ricos em sódio.
  • Gorduras
  • Açúcar, mel, melaço - os açúcares favorecem a obesidade, cáries dentárias, diabetes, entre outras patologias. Atenção: maltose, lactose, glucose, açúcar invertido, dextrose ou xarope de açúcar são designações para outras formas de açúcar e também são ingredientes cujo consumo deve ser muito moderado.

... e o que privilegiar

  • Produtos alimentares com baixo teor em lípidos (especialmente de lípidos saturados). Os lípidos monoinsaturados levam à diminuição dos níveis de colesterol e existem no azeite e no óleo de amendoim, por exemplo. Já os lípidos polinsaturados, que não conduzem ao aumento do colesterol, estão presentes nos óleos de girassol, soja e milho, peixe e frutos secos, entre outros.
  • Produtos alimentares com teor elevado de amido e baixo teor de açúcares. O amido encontra-se nos cereais e derivados, leguminosas secas e tubérculos.
  • Produtos alimentares com um teor elevado de fibras alimentares, que ajudam a prevenir a obstipação e diminuir o risco de obesidade, diabetes e vários tipos de cancro, entre outras patologias. As fibras estão presentes nos cereais e derivados pouco refinados (de cor mais escura), fruta, leguminosas secas, legumes e hortaliças.

Sabia que...

O colesterol está presente nos produtos de charcutaria, produtos lácteos gordos, bacalhau, camarão, fígado, entre outros alimentos. Níveis elevados de colesterol no sangue estão associados ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

Partilhar esta notícia
Referência

Notícias Relacionadas