Resveratrol pode ajudar no tratamento do cancroNotícias de Saúde

Terça, 21 de Julho de 2015 | 53 Visualizações

Fonte de imagem: vineveraskincare

O resveratrol e quercetina, dois polifenois que têm sido alvo de estudo devido às suas propriedades benéficas para a saúde, podem em breve estar na base de um novo e importante tratamento contra o cancro, dá conta um estudo publicado no “Journal of Controlled Release”.
 
O resveratrol, um poderoso antioxidante encontrado no vinho tinto e outros alimentos, tem recebido muita atenção devido a uma possível explicação para o "paradoxo francês", uma baixa incidência de doenças cardiovasculares, apesar de a adoção de uma dieta muito rica em gordura.
 
No estudo os investigadores da Universidade do Estado de Oregon, nos EUA, desenvolveram um sistema que aumenta a biodisponibilidade destes compostos no organismo através de copolímeros, que os tornam solúveis em água e permite que estes sejam injetados na corrente sanguínea. Desta forma, é possível obter níveis bastante mais elevados do que os conseguidos através da dieta ou consumo oral.
 
De acordo com os investigadores, o resveratrol e a quercetina parecem reduzir a toxicidade cardíaca de um fármaco anticancerígeno amplamente utilizado, a adriamicina. Apesar de este fármaco ser altamente eficaz no tratamento dos linfomas, cancro da mama, ovário e outros tipos de cancro, apenas pode ser utilizado um número limitado de vezes devido à sua toxicidade.
 
Contudo, a coadministração da adriamicina com os polifenóis poderá permitir uma utilização mais extensiva deste fármaco e também melhorar a sua eficácia, além de, por outro lado, demonstrar as propriedades anticancerígenas dos polifenois.
 
“Isto tem um grande potencial para melhorar o tratamento cancerígeno quimioterápico”, revelou, em comunicado de imprensa, um dos autores do estudo, Adam Alani.
 
Os investigadores constataram, através de estudos in vivo e in vitro, que a coadministração de níveis elevados de resveratrol e quercetina reduziu significativamente a toxicidade da adriamicina. Verificou-se ainda que os polifenois têm um efeito sinergístico que aumenta a eficácia do fármaco ao sensibilizar as células cancerígenas para o efeito da adriamicina.
 
De acordo com o investigador, em estudos futuros poderá ser possível demonstrar que estes compostos são capazes de eliminar completamente a cardiotoxicidade da adriamicina, dado que eliminam os radicais livres tóxicos produzidos pelo fármaco. Adam Alani acrescenta ainda que a administração destes polifenois podeter valor terapêutico em si ou em combinação com uma vasta gama de fármacos quimioterápicos.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado no “Journal of Controlled Release”

Notícias Relacionadas