“Ressaca” emocional influencia a recordação de experiências futurasNotícias de Saúde

Sexta, 30 de Dezembro de 2016 | 31 Visualizações

Fonte de imagem: Estudo publicado na revista “Nature Neuroscience”

As experiências emocionais podem induzir a estados fisiológicos e internos no cérebro que persistem durante longos períodos após os eventos emocionais terem terminado. O estudo publicado na revista “Nature Neuroscience” demonstra também que esta “ressaca” emocional influencia a forma como as pessoas participam e se lembram de experiências futuras.

Lila Davachi, da Universidade de Nova Iorque, nos EUA, explica que a forma como nos lembrámos de eventos não é apenas uma consequência do mundo externo que experienciamos, mas também é fortemente influenciado pelos estados internos e estes podem persistir e colorir as experiências futuras. 

De acordo com a investigadora, a emoção é um estado de espírito e estes achados demonstram claramente que a cognição é altamente influenciada pelas experiências anteriores e, que os estados emocionais cerebrais podem persistir durante longos períodos de tempo. 

Já há algum tempo que a comunidade científica sabe que as experiências emocionais são mais fáceis de recordar que as experiências não emocionais. Contudo, neste estudo os investigadores demonstraram que as experiências não emocionais, que sucedem às emocionais, são também recordadas com maior facilidade.

De forma a chegarem a estas conclusões, os participantes foram convidados a visualizar várias imagens que continham conteúdo emocional e provocador. Cerca de 10 a 30 minutos mais tarde, um grupo também visualizou imagens não emocionais. Um outro grupo de indivíduos visualizou estas imagens antes das imagens emocionais.

A excitação fisiológica e atividade cerebral, medida através de uma ressonância magnética funcional, foram monitorizadas em ambos os grupos. Seis horas mais tarde, os participantes foram submetidos a um teste de memória das imagens previamente visualizadas.

Os resultados demonstraram que os indivíduos que começaram por ser submetidos aos estímulos que desencadeavam emoções recordavam melhor as imagens neutras apresentadas posteriormente, comparativamente com o grupo que visualizou as mesmas imagens neutras antes das emocionais.

Estes dados demonstram que os estados cerebrais associados às experiências emocionais demoram cerca de 20 a 30 minutos e influenciam o modo como as pessoas processam e se recordam das experiências futuras não emocionais.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “Nature Neuroscience”