Remoção do apêndice associada a doença de ParkinsonNotícias de Saúde

Quinta, 16 de Maio de 2019 | 14 Visualizações

Fonte de imagem: Medical News Today

Uma equipa de investigadores descobriu que os pacientes que tinham removido o seu apêndice eram mais propensos a desenvolver a doença de Parkinson do que aqueles que mantiveram o apêndice.
 
O achado foi o resultado de um estudo retrospetivo baseado em 62 milhões de registos de pacientes, de 26 sistemas de saúde diferentes. 
 
“Estudos recentes sobre a causa da Parkinson concentraram-se à volta da alfa-sinucleína, uma proteína que se encontra no trato gastrointestinal na fase inicial da Parkinson”, explicou Mohammed Sheriff, investigador que liderou o estudo, da Universidade Case Western Reserve e do Centro Médico dos Hospitais de Cleveland, ambos nos EUA. 
 
O investigador explicou ainda que “esta é a razão pela qual os cientistas pelo mundo têm-se debruçado sobre o trato gastrointestinal, incluindo o apêndice, para [obter] evidência sobre o desenvolvimento da Parkinson”.
 
Resultados anteriores sobre a relação entre as apendicectomias e o desenvolvimento da Parkinson têm sido inconsistentes e, por essa razão, a equipa de Mohammed Sheriff propôs-se procurar esclarecer essas inconsistências.
 
A equipa analisou, portanto, os processos clínicos eletrónicos de mais de 62,2 milhões de pacientes e identificou os que tinham tido apendicectomias e sido diagnosticados com a doença de Parkinson, pelo menos seis meses mais tarde.
 
Foi observado que em 488.190 pacientes que tinham sido submetidos a apendicectomia, 4.470, ou 0,92%, tinham desenvolvido Parkinson. Dos restantes 61,7 milhões de pacientes que não tinham removido o apêndice, apenas 177.230, ou seja, 0,29%, desenvolveu a doença. 
 
Portanto, segundo esta análise, os pacientes que tinham removido o apêndice apresentavam uma propensão mais de três vezes maior de desenvolverem Parkinson do que os que não tinham recebido apendicectomia. 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo apresentado no congresso Semana das Doenças Digestivas, EUA

Notícias Relacionadas