Regresso de comparticipação é dia histórico para as Termas de PortugalNotícias de Saúde

Segunda, 15 de Abril de 2019 | 6 Visualizações

Fonte de imagem: Porto and the North

O presidente das Termas de Portugal, Victor Leal, considerou ser “um dia histórico para o termalismo em Portugal” a reposição pelo Estado da comparticipação nos tratamentos termais, promovendo o acesso a todos os portugueses a estes cuidados de saúde.
 
Na cerimónia oficial da assinatura do acordo entre o Estado e as Termas de Portugal, o dirigente elogiou o Governo, “porque não se limitou a repor a comparticipação suspensa em 2011”, inovando na comparticipação.
 
Assim, o Estado comparticipa em 35% um conjunto de tratamentos, tendo como limite 95 euros por utente, isto, em forma de projeto-piloto para ser avaliado no primeiro trimestre de 2020, mas que, no entender de Victor Leal, “os ganhos serão enormes e comprováveis”.
 
O presidente da Câmara Municipal de São Pedro do Sul, não escondeu o “regozijo pela reposição da comparticipação”, uma vez que “valoriza e reconhece a terapêutica termal como parte integrante do SNS”, atraindo desta forma “mais pessoas para o interior”.
 
Vítor Figueiredo lembrou que as termas de São Pedro do Sul “são consideradas as maiores da Península Ibérica e possuem uma cota de mercado nacional que ronda os 35%”.
 
No entender de Vítor Figueiredo, não é só São Pedro do Sul que ganha, “também o termalismo a nível nacional, com reflexos imediatos no turismo e na economia nos 46 municípios com termas que se situam, em maior número, no interior do país”.
 
“Assim, todos os portugueses poderão ter acesso a uma riqueza natural nacional, com o apoio do SNS, que é a nossa água termal com características únicas para o tratamento e prevenção de muitas doenças, desde as reumáticas, respiratórias ou da pele, ou seja, é uma vitória de todos os portugueses”, considerou.

Partilhar esta notícia
Referência
Comparticipação dos tratamentos termais retomada a 10 de abril