Redução na mortalidade por cancro colorretal é uma história de sucessoNotícias de Saúde

Quarta, 21 de Março de 2018 | 10 Visualizações

Fonte de imagem: RCC Pharma B

Uma equipa de investigadores considera a diminuição do cancro colorretal na Europa como sendo uma das maiores histórias de sucesso dos últimos 30 anos.
 
A conclusão veio na sequência das previsões da taxa de mortalidade por cancro na Europa para 2018 que estima que a mesma continue a diminuir em cerca de 7% em comparação a 2012.
 
As previsões da mortalidade por cancro foram efetuadas por uma equipa de investigadores liderada por Carlo La Vecchia, docente catedrático na Faculdade de Medicina da Universidade de Milão, Itália, que indicam ainda que a exceção nesta tendência decrescente vai para o cancro do pâncreas e do pulmão nas mulheres, cuja incidência continuará a aumentar.
 
Para o estudo, a equipa analisou as taxas de mortalidade por cancro nos 28 Estados-Membros da União Europeia como um todo, e ainda individualmente na Alemanha, Espanha, França, Itália, Polónia e Reino Unido, ou seja, os seis maiores países dos 28. A equipa recolheu ainda informação sobre óbitos entre 1970 e 2012, da Organização Mundial de Saúde.
 
Segundo os resultados do estudo, os investigadores preveem que em 2018 o cancro colorretal constitua a segunda causa de morte por cancro na Europa em 2018, sendo responsável por 177.400 mortes (98.000 nos homens e 79.400 nas mulheres).
 
Devido ao crescimento da população idosa, na verdade o número de mortes devido à doença aumentou. No entanto, em relação a 2012 a taxa de mortalidade padronizada por idade indica uma descida de 6,7% nos homens e de 7,5% nas mulheres este ano.
 
“O cancro colorretal constitui a causa mais comum de morte por cancro entre os não-fumadores, tanto em homens como mulheres. A diminuição na mortalidade que estamos a prever para 2018 tem sido um dos maiores sucessos na oncologia clínica. Esta melhoria nas taxas de morte na Europa vem na ausência de um único grande avanço e é devida a um melhor diagnóstico e gestão da doença”, afirmou Carlo La Vecchia.
 
O investigador disse ainda que as mortes por cancro colorretal têm vindo a diminuir desde 1993 nos homens e desde 1970 nas mulheres. O autor considera que o uso de contracetivos orais e terapia de substituição hormonal nas mulheres, e o uso da aspirina e rastreios eficazes tanto em homens como em mulheres poderão contribuir para a descida na incidência da doença.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “Annals of Oncology”

Notícias Relacionadas