Quatro mitos sobre o consumo de álcoolNotícias de Saúde

Quinta, 28 de Janeiro de 2016 | 162 Visualizações

Fonte de imagem: frant.me

Vários especialistas esclarecem os grandes mitos sobre o consumo de bebidas alcoólicas que se têm propagado há décadas.

Uma campanha britânica propôs às pessoas que passem 31 dias sem consumir álcool, defendendo que a prática poderá trazer benefícios para a saúde que vão desde a perda de peso a um sono melhor.

A iniciativa chama-se ‘Dry January’ (‘Janeiro seco’, em tradução literal) e também ganhou a adesão do médico e apresentador da BBC Michael Mosley – que falou com especialistas para tentar desvendar os mitos sobre o consumo de álcool. Confirme-os:

1. 'Beber moderadamente não faz mal'.Qualquer quantidade de álcool que ingerir irá provocar um aumento dos riscos de desenvolver alguns tipos de cancro – particularmente cancro da mama. Mas é claro que estes riscos são menores quando bebe moderadamente do que quando bebe em excesso.

O especialista Tim Stockwell, diretor do Centro de Pesquisas sobre Dependência Química da Universidade de Victoria, no Canadá, sublinha que “há pelo menos 60 formas diferentes de o álcool lhe fazer mal ou o matar. E não apenas pelas doenças óbvias, como as do fígado”.

2. 'Beber vinho tinto faz bem'. As uvas, e por consequência o vinho, têm uma substância chamada resveratrol, um polifenol que, segundo os estudos, diminui os níveis de um tipo de colesterol que se pode acumular nas paredes dos vasos sanguíneos, e, no limite, provocar obstruções e doenças cardiovasculares. O problema é que esse benefício só é alcançado através do consumo de uma quantidade muito grande de vinho – tornando essa vantagem muito reduzida, comparativamente aos potenciais malefícios.

3. 'Misturar bebidas deixa-o mais bêbado'. Na verdade, explica Mosley, não interessa muito que tipos de álcool consome, o resultado será o mesmo. No entanto as bebidas alcoólicas gaseificadas, como o champagne, por exemplo, relaxa os músculos que controlam a passagem de álcool e comida entre o estômago e o intestino delgado, onde as substâncias são absorvidas pelo organismo. Ou seja, se beber champanhe e, logo em seguida, beber cerveja, a segunda bebida chegará mais depressa ao intestino delgado, deixando-o bêbado muito mais rápido.

4. 'A cafeína abranda a bebedeira'. De acordo com o que o apresentador da BBC apurou, todo o álcool que consumiu vai continuar no seu corpo até ser totalmente metabolizado, mesmo que tome um jarro inteiro de café logo a seguir ou na manhã seguinte. O máximo que a cafeína pode fazer é deixá-la um pouco mais desperto durante a ressaca.

Partilhar esta notícia
Referência

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados