Quais são os melhores fármacos para prevenir doenças cardiovasculares?Notícias de Saúde

Quinta, 13 de Setembro de 2018 | 28 Visualizações

Fonte de imagem: Medical News Today

Um novo estudo apurou que a melhor forma de prevenir doenças cardiovasculares, em pacientes com hipertensão e risco cardíaco, poderá ser a toma de estatinas e de fármacos para a tensão arterial.
 
O estudo que contou com uma coorte elevada, foi conduzido por investigadores do Instituto de Investigação William Harvey, da Universidade Queen Mary em Londres, Reino Unido, e teve como objetivo identificar as combinações terapêuticas que melhor se poderiam adaptar àquela população em particular. 
 
O estudo baseou os resultados num outro estudo, conhecido como ASCOT, que contou com a participação de 8.500 participantes que tinham sido originalmente recrutados entre 1998 e 2000. Todos os participantes apresentavam hipertensão e vários fatores de risco cardiovascular no início do estudo.
 
O estudo original tinha como objetivo descobrir que tratamento prevenia melhor episódios cardiovasculares: um tratamento tradicional (atenolol e bendroflumetiazida, com potássio dependendo do caso em particular) ou um tratamento inovador (com amlodipina e se necessário perindopril, ambos para a hipertensão).
 
A abordagem inovadora provou maior eficácia na prevenção de acidentes vasculares cerebrais e morte prematura após um período médio de 5,5 anos.
 
O estudo pretendia ainda determinar se os pacientes com tensão arterial elevada e níveis médios de colesterol, que também tomavam estatinas, estariam mais protegidos contra a doença coronária. O resultado do tratamento de 3,3 anos foi um sucesso na prevenção de ataques cardíacos e AVC.
 
Finalmente, o estudo avaliou a eficácia geral dos dois tratamentos na tensão arterial de pacientes com hipertensão e tensão arterial elevada. Os investigadores não administraram estatinas a este grupo de pacientes durante 5,5 anos. 
 
Com base nos dados do estudo ASCOT, os investigadores deste estudo apuraram que os participantes que tinham tomado amlodipina e perindopril durante 5,5 anos apresentavam uma propensão 29% menor de terem morrido por AVC 10 anos mais tarde, em relação aos que tinham seguido o tratamento convencional para a tensão arterial.
 
Os participantes com colesterol com nível médio que tinham tomado estatinas durante o estudo apresentavam um risco 15% inferior de morte por doença cardíaca e AVC 16 anos depois, em relação aos que tinham tomado um placebo.
 
Finalmente, os participantes com colesterol elevado que tinham seguido o tratamento usual para o colesterol e o tratamento inovador para a tensão arterial apresentavam 21% menos de mortes por doenças cardiovasculares no decorrer de 10 anos.
 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “The Lancet”

Notícias Relacionadas