Proteína diminui agressividade dos tumores cerebraisNotícias de Saúde

Segunda, 08 de Abril de 2013 | 57 Visualizações

 foto NUNO PINTO FERNANDES/GLOBAL IMAGENS

Segundo um comunicado hoje emitido pela Universidade do Minho, a investigação mostrou que os tumores cerebrais sem a proteína WNK2 têm uma maior agressividade.

A próxima fase será tentar aumentar o nível daquela proteína, para poder prolongar o tempo de vida dos doentes com este tipo de tumor.

Publicado na revista "Human Molecular Genetics", que é editada pela Oxford University Press, o estudo abordou o glioblastoma, um dos tumores mais frequentes e agressivos do sistema nervoso central, cuja sobrevivência humana é em média apenas de 14 meses.

Os responsáveis pelo estudo verificaram que muitos dos tumores tinham perdido a proteína WNK2, "o que torna as células tumorais mais invasivas, isto é, são mais rápidas a multiplicar-se e a invadir os tecidos adjacentes".

"Nos ensaios in vivo e in vitro conseguimos manipular os níveis da WNK2 nas células. Quando a ?silenciámos', o crescimento e a invasão das células tumorais foi consideravelmente maior, mas quando foi reintroduzida nas células tumorais estas características foram suprimidas", sublinham.

Para os investigadores, estes dados validam os processos celulares regulados pelo gene WNK2 como possível alvo terapêutico para enfraquecer os tumores cerebrais, em particular os gliomas.

A equipa de investigação envolveu ainda cientistas do IPATIMUP (Porto), do Brain Tumor Research Center (Califórnia, EUA), do Institute of Cancer Research (Reino Unido), do Hospital de Câncer de Barretos (Brasil) e dos hospitais Pedro Hispano, Santo António e São João.

Banco da Saúde

Partilhar esta notícia
Autor
Lusa
Referência
Sofia Fonseca

Notícias Relacionadas