Problemas de sono em adolescentes revertem rapidamente com limite de uso de ecrãsNotícias de Saúde

Sexta, 24 de Maio de 2019 | 7 Visualizações

Fonte de imagem: Earth

O sono de adolescentes melhorou em apenas uma semana após limitar-se a exposição dos mesmos a ecrãs que emitiam luz azul, como telemóveis, tablets e computadores. 
 
Os achados são de um estudo conduzido por uma equipa de investigadores do Centro Médico da Universidade de Amsterdão, na Holanda. 
 
Segundo os investigadores, o simples facto de os jovens limitarem o uso de ecrãs com luz azul à noite não só fez melhorar rapidamente a qualidade do sono dos mesmos, assim como reduziu sintomas de fadiga, falta de concentração e mau-humor.
 
Para o estudo, a equipa analisou os efeitos da exposição, pelos adolescentes, à luz azul em casa. 
 
Foi apurado que os jovens que passavam mais de quatro horas diárias em frente a ecrãs começavam a dormir e despertavam, em média, 30 minutos mais tarde do que os que relatavam passar menos de uma hora por dia em frente a ecrãs. Mais, aqueles jovens apresentavam também mais sintomas de privação de sono.
 
Os investigadores conduziram um ensaio controlado e aleatório para avaliar os efeitos do bloqueio da luz azul com óculos e através da ausência de ecrãs, à noite, sobre os padrões de sono de 25 utilizadores frequentes.
 
Como resultado, os jovens participantes começaram a dormir e a despertar 20 minutos mais cedo, assim como relataram uma redução nos sintomas de privação de sono após apenas uma semana.
 
Estudos recentes revelaram que a exposição a demasiada luz à noite, especialmente luz azul emitida por ecrãs de smartphones, tablets e computadores pode afetar o relógio do sono, assim como a produção da melatonina, a hormona do sono.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo apresentado no Congresso Anual da Sociedade Europeia de Endocrinologia

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados