Potenciais perigos da naltrexona são inexistentesNotícias de Saúde

Quinta, 17 de Janeiro de 2019 | 65 Visualizações

Fonte de imagem: Dr. Renato

Um novo estudo revelou que os receios atuais sobre os potenciais efeitos adversos do fármaco naltrexona, usado no tratamento da dependência de bebidas alcoólicas e outras dependências, são infundados.
 
Com efeito, os médicos frequentemente não prescrevem o fármaco com receio de potenciais efeitos tóxicos da naltrexona sobre o fígado.
 
Para procurar esclarecer as dúvidas sobre a segurança do fármaco, uma equipa de investigadores liderada por Monica Bolton, da Universidade de Manchester, Reino Unido, decidiu efetuar a revisão de 89 ensaios clínicos randomizados, controlados com placebo, os quais incluíam 11.194 participantes. 
 
38 dos ensaios estudavam os efeitos da naltrexona sobre problemas de dependência de bebidas alcoólicas, 13 sobre doenças psiquiátricas, 9 sobre doenças compulsivas, 18 sobre outras dependências incluindo tabaco, 6 sobre obesidade e doenças relacionadas com a alimentação, 2 sobre doença de Crohn, 2 sobre cancro e 1 sobre fibromialgia.
 
Não foi encontrada prova de um aumento do risco de eventos adversos graves com o uso da naltrexona em comparação com um placebo. 
 
Uma análise secundária revelou seis eventos adversos marginalmente significativos com o uso da naltrexona em relação ao uso de um placebo, mas com um nível leve de severidade.
 
“Embora a naltrexona esteja licenciada para o tratamento da dependência do álcool, continua a ser subaproveitada”, comentou Monica Bolton. 
 
“Tanto quanto sabemos, existe apenas uma contraindicação: os opiáceos analgésicos, como a codeína. Estes não devem ser tomados com a naltrexona pois atua através do bloqueio dos opiáceos no cérebro”, disse ainda a investigadora, acrescentando que é um fármaco barato e que pode evitar mortes.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “BMC Medicine”