Porque a insónia não é apenas um problema noturnoNotícias de Saúde

Quinta, 26 de Maio de 2016 | 100 Visualizações

Fonte de imagem: expertbeacon

Passar as noites em claro consegue aterrorizar qualquer pessoa, mas a insónia está longe de ser um problema meramente noturno.

A ausência de sono – seja a adormecer ou durante a noite – tem um impacto na saúde que vai muito além da acumulação do sono. A insónia interfere com a saúde em geral e os sintomas são igualmente notórios durante o dia.

Conta o site Psychology Today que a ciência classifica a insónia como o ‘transtorno do pesadelo’, uma vez que tem consequências diretas na saúde, na produtividade e na segurança. Mas não só: a ciência acredita, ainda, que a insónia não é meramente um problema noturno, é também uma condição diurna.

Esta é a conclusão de um estudo conjunto entre universidades da Holanda, da Alemanha e da Suíça, que analisou 94 pessoas, entre os 21 e os 70 anos, que sofriam de insónia.

Através de mecanismos de monitorização do cérebro e da técnica de comparação com o grupo de controlo (isto é, pessoas sem insónia), o estudo conseguiu detetar que as pessoas com insónia tinham um elevado nível de excitação, revelando por uma maior atividade das ondas cerebrais… mas apenas quando estavam de olhos fechados.

Quando estavam de olhos abertos, diz a publicação, as pessoas com insónia apresentavam menos energia nas ondas cerebrais (alfa), especialmente dentro dos lobos frontal e temporal. Com os olhos fechados, estes participantes mostraram ondas beta mais potentes em todo o cérebro.

Estas ondas beta revelam um maior estado de alerta e vigília, o que faz com que as pessoas ora não consigam adormecer, ora acordem durante a noite ‘sem sono’. Já as ondas alfa indicam um estado de ausência de excitação e falta de concentração, o que, acontecendo durante o dia, torna-se perigoso para a saúde, segurança e produtividade.

Contudo, a insónia não traz apenas o ‘cansaço mental’ para o dia-a-dia, proporciona ainda cansaço físico, irritação, tristeza e confusão, que, em conjunto ou não, podem ser penosas para a saúde em geral.

Partilhar esta notícia
Referência
POR DANIELA COSTA TEIXEIRA