Por que motivo as mulheres têm mais insónias?Notícias de Saúde

Quinta, 15 de Setembro de 2016 | 26 Visualizações

Investigadores canadianos constataram que o relógio biológico afeta o sono e o estado de alerta de um modo diferente nas mulheres e nos homens. Este achado, publicado nos “Proceedings of the National Academy of Sciences”, pode explicar por que motivo as mulheres são duas vezes mais propensas a terem insónias do que os homens.

Após terem tido em conta o ciclo menstrual e a toma de contracetivos orais, os investigadores da Universidade de McGill, no Canadá, descobriram que o relógio biológico das mulheres faz com que estas adormeçam e acordem mais cedo que os homens. A razão para esta diferença está no facto de o seu relógio biológico se encontrar deslocado para um fuso horário mais oriental.

Diane B. Boivin, uma das autoras do estudo, refere que esta diferença observada entre os sexos é essencial para compreender por que motivo às mulheres são mais suscetíveis de desenvolverem distúrbios do sono, comparativamente com os homens.

Neste estudo, os cientistas contaram com a participação de 15 homens e 11 mulheres, tendo comparado o sono e o estado de alerta regulado pelo relógio biológico. As mulheres recrutadas tinham um ciclo menstrual normal e foram estudadas durante duas fases do ciclo. Esta atenção dada ao ciclo menstrual teve por base resultados anteriores obtidos pela mesma equipa de investigadores que sugeriram que o ciclo menstrual afeta o ritmo biológico da temperatura corporal e o sono. Nenhum dos participantes demonstrou problemas de sono ao longo do estudo.

De acordo com a cientista, estes resultados ajudam, entre outras coisas, a compreender por que motivo as mulheres são mais propensas que os homens a acordar mais cedo de manhã e a sentirem-se mais cansadas à noite. Adicionalmente, as mulheres tendem a estar menos alerta de noite, comparativamente com os homens.

Estes achados indicam que, em termos biológicos, as mulheres não estão tão aptas a trabalharem de noite. Na opinião dos investigadores são necessários mais estudos de forma a aprofundar esta temática e para desenvolver intervenções adaptáveis à saúde do homem e da mulher. 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado no “Proceedings of the National Academy of Sciences”