Pneumonia pode ser identificada com precisão com estes quatro sinais clínicosNotícias de Saúde

Quarta, 20 de Dezembro de 2017 | 113 Visualizações

Fonte de imagem: Homeopathy Plus

Febre, frequência cardíaca elevada, crepitação na auscultação pulmonar e baixa saturação de oxigénio.

“As quatro variáveis identificadas por esta análise são sinais clínicos facilmente medidos”, escreve Michael Moore, da Universidade de Southampton, no Reino Unido, e coordenador de um estudo que permitiu estas conclusões. O estudo foi publicado a 22 de novembro no European Respiratory Journal.

Os autores do trabalho afiançam que poderia haver uma redução na prescrição de antibióticos, se estes fossem apenas prescritos mediante a presença daquelas variáveis clínicas.

Para o estudo de coorte prospetivo, os investigadores acompanharam 28.883 pacientes entre 2009 e 2013 que se apresentaram nos cuidados primários com sintomas de tosse aguda atribuída a uma infeção do trato respiratório inferior.

Entre os 720 pacientes radiografados na primeira semana após a consulta inicial, 16% (115/720) foram diagnosticados como tendo pneumonia definida ou provável.

Os investigadores observaram preditores independentes específicos de pneumonia confirmada por radiografia nesta coorte, incluindo temperatura de 37,8 °C ou maior (risk ratio, RR, 2,65; intervalo de confiança, IC, de 95%, 1,46 – 4,81), frequência de pulso 100/minuto ou maior (RR, 1,90; IC de 95%, 1,12 – 3,24), crepitações na ausculta (RR, 1,82; IC de 95%, 1,12 – 2,97) e saturação de oxigênio abaixo de 95% (RR, 1,73; IC de 95%, 0,98 – 3,06).

No geral, 86,1% (99/115) dos pacientes com pneumonia apresentaram pelo menos um desses sinais clínicos. Em contraste, outros fatores, incluindo sintomas, idade, sexo, história de tabagismo, e antecedentes médicos, não forneceram informações preditivas para o diagnóstico de pneumonia.

Os autores observam que estudos anteriores encontraram febre, crepitações e frequência de pulso elevada como preditores da presença de pneumonia. No entanto, ao contrário do melhor modelo de diagnóstico atual, a presença de coriza não foi significativa no presente estudo. Por outro lado, a adição da oximetria de pulso demonstrou utilidade clínica em estudos retrospetivos anteriores no contexto da atenção primária.

Os cientistas reconhecem limitações do estudo, principalmente que as radiografias torácicas só foram obtidas em uma pequena amostra de toda coorte, e que os pacientes selecionados para radiografia estavam mais doentes e com maior risco de pneumonia. Isso pode ter resultado em menos casos relatados de pneumonia confirmada por radiografia na coorte como um todo, bem como em uma ênfase excessiva na importância dos quatro sinais clínicos como preditores positivos de pneumonia.

Dada essa limitação, os autores do estudo advertem que, embora a oximetria de pulso possa ter um papel no diagnóstico de pneumonia, serão necessários mais estudos que incluam uma avaliação completa, incluindo radiografias de tórax.

Partilhar esta notícia
Referência
MedScape

Info-Saúde Relacionados