Paraplégico volta a andar após transplante de célulasNotícias de Saúde

Terça, 21 de Outubro de 2014 | 52 Visualizações

Fonte de imagem: the Guardian

Um homem paralisado voltou a andar após uma terapia pioneira que envolveu o transplante de células da cavidade nasal para espinal medula, revela um estudo publicado na revista científica Cell Transplantation.

O búlgaro Darek Fidyka ficou paralisado do peito para baixo depois de ter sido vítima de esfaqueamento em 2010. Hoje, depois de ter sido operado por médicos polacos em colaboração com cientistas em Londres, consegue andar com auxílio de um andarilho.

"Quando não sentimos metade do corpo, sentimo-nos impotentes, mas quando recomeçamos a andar, é como se tivéssemos nascido de novo", afirmou Darek na reportagem da estação televisiva BBC.

O tratamento utilizou Olfactory Ensheathing Cells (OEC) - células especializadas que fazem parte do sentido do olfato - que permitem que as fibras nervosas sejam sistematicamente renovadas.

Na primeira de duas operações, os cirurgiões removeram um dos bulbos olfativos do paciente e as células foram crescendo em sistema de cultura. A utilização de células do próprio paciente impede a rejeição por parte do corpo e evita o consumo de imunossupressores, tomados em transplantes convencionais.
 

 


Duas semanas depois da colheita, a equipa de médicos polacos transplantou as OEC para a espinal medula. Em apenas uma gota cultivada encontravam-se 500.000 células. As células foram distribuídas por 100 micro-injeções colocadas acima e abaixo da lesão.

O lado esquerdo da medula - que tinha uma lesão com cerca de 8mm - foi preenchido com quatro tiras finas de nervo, retiradas do tornozelo do paciente.

A equipa de cientistas acredita que as OEC forneceram um caminho que permitiu que as fibras em torno da lesão se pudessem reconectar, usando enxertos de nervo que preencheram a falha na medula.

Antes do tratamento, Darek esteve dois anos paralisado apesar da fisioterapia intensiva que seguiu. Três meses depois de começar o tratamento, o búlgaro começou a ganhar músculo na coxa da perna esquerda.

Seis meses depois, Fidyka foi capaz de dar os primeiros passos ao longo de barras paralelas, utilizando muletas e com o apoio de um fisioterapeuta.

Hoje, o paciente búlgaro consegue sair do centro de reabilitação pelo seu próprio pé através de um andarilho, tendo também recuperado alguma função ao nível da bexiga, intestinos e função sexual.

"É incrível ver como a regeneração da espinal medúla, algo que foi considerado impossível por muitos anos, se está a tornar realidade", confessou Pawel Tabakow, neurocirurgião no Hospital Universitário de Wroclaw.

Partilhar esta notícia
Referência
revista científica Cell Transplantation

Notícias Relacionadas