Os melhores hospitais do país são três PPPNotícias de Saúde

Quarta, 31 de Outubro de 2018 | 114 Visualizações

Fonte de imagem: WE ARE DVM

Hospital de Braga lidera o ranking da excelência clínica pelo segundo ano consecutivo. Maiores hospitais do país forneceram pouca informação à entidade reguladora e mal foram avaliados.

 

A análise é da Entidade Reguladora da Saúde e conclui que, pelo segundo ano consecutivo, o Hospital de Braga é o melhor do país, sendo o único a obter a classificação máxima de três estrelas em oito áreas clínicas analisadas (de um total de 16). Em segundo e terceiro lugares ficaram outras duas Parcerias Público-Privadas (PPP): os hospitais de Cascais e Vila Franca de Xira, respetivamente.

Para construir, todos os anos, o ranking dos melhores hospitais do país, a ERS socorre-se do Sistema Nacional de Avaliação em Saúde (SINAS), um sistema que avalia a qualidade dos estabelecimentos prestadores de cuidados de saúde (sejam eles públicos, privados ou do setor social) nas áreas de angiologia e cirurgia vascular, cardiologia, cirurgia de ambulatório, cirurgia cardíaca, cirurgia geral, cuidados intensivos, cuidados transversais, ginecologia, neurologia, obstetrícia, ortopedia e pediatria.

Hospital de Braga de novo na liderança

O Hospital de Braga assume-se novamente como o líder da excelência clínica em Portugal, com oito áreas a conseguiram uma classificação de nível III (o mais alto): Enfarte Agudo do Miocárdio (é o único do país a alcançar a classificação máxima nesta especialidade), Cirurgia de Ambulatório, Partos e Cuidados Pré Natais (obstetrícia), Cuidados Intensivos (que há nove anos consecutivos mantêm esta classificação), AVC (neurologia), Cirurgia da Fratura Proximal do Fémur (Ortopedia), Cuidados Neonatais (Pediatria) e Tromboembolismo Venoso no Internamento. Para além de consegui atingir o nível II em quase todas as outras áreas, este hospital não regista qualquer classificação negativa.

Já o Hospital de Cascais, o segundo do ranking, conseguiu classificação máxima em sete áreas: Cirurgia de Ambulatório, Cuidados Intensivos, Histeroctomias (Ginecologia), AVC (neurologia), Partos e Cuidados Pré Natais (obstetrícia), Cirurgia da Fratura Proximal do Fémur (Ortopedia) e Cuidados Neonatais (pediatria).

O terceiro lugar é do hospital de Vila Franca de Xira, que, tal como o de Braga, é gerido pelo Grupo José de Mello Saúde, e obteve o nível de excelência em quatro áreas: Cirurgia de Ambulatório, Cirurgia do Cólon, AVC (neurologia) e Partos e Cuidados Pré Natais (obstetrícia). Contudo, esta unidade de saúde partilha o último lugar do pódio com os Hospitais de Tondela e de Faro.

Um indicador comum às três PPP que ocupam o topo do ranking é a nota máxima conseguida no tratamento do Acidente Vascular Cerebral (AVC). Estes são, aliás, os únicos hospitais (dos 29 analisados nesta área) a receber a nota de excelência clínica.

Pouca informação dos grandes hospitais

A ERS explica que a “avaliação e a classificação efetuadas processam-se em dois níveis. No primeiro, confirma-se o cumprimento dos critérios considerados essenciais para a prestação de cuidados de saúde com qualidade. A validação desse cumprimento, demonstrada pela atribuição de uma estrela, permite ao prestador o acesso ao segundo nível de avaliação, no qual se processa a classificação em rating, para cada uma das áreas em avaliação, num de três níveis de qualidade: nível de qualidade III, II ou I, conforme os prestadores estejam posicionados no nível de qualidade superior, no nível de qualidade intermédio ou no nível de qualidade de base”.

Este ano, “dos 159 estabelecimentos actualmente abrangidos pelo SINAS@Hospitais – que representam praticamente todo o universo de prestadores de natureza hospitalar –, 124 (78%) participaram na avaliação da dimensão da excelência clínica”, explica o regulador. Curiosamente, é dos maiores hospitais do país que vem a menor quantidade de informação.

Enquanto o São João recusou fornecer dados para análise, o Hospital de Santa Maria (o maior do país) só foi avaliado em quatro áreas: Cirurgia de Revascularização do Miocárdio (nota II), Cirurgia Valvular (nota II), Histeroctomias (nota I) e Partos e Cuidados Pré Natais (nota II) . Os hospitais da Universidade de Coimbra foram classificados com uma nota III em histerectomias (ginecologia) e outra I (em cirurgia de revascularização arterial). Já o Santo António (Porto) recebeu classificações em nove áreas, conseguindo uma nota máxima apenas na cirurgia do cólon.

Partilhar esta notícia
Referência

Notícias Relacionadas