Novo probiótico eficaz contra biofilmes causados por doença de CrohnNotícias de Saúde

Quarta, 10 de Abril de 2019 | 781 Visualizações

Fonte de imagem: CreakyJoints

Uma equipa de investigadores desenvolveu uma mistura de probióticos específicos que poderá ajudar a evitar os biofilmes prejudiciais que agravam os sintomas de doenças gastrointestinais.
 
Os biofilmes são comunidades microbianas vivas com múltiplos tipos de micróbios e fungos e que vivem sob uma proteção espessa e viscosa. Apesar de estas comunidades serem frequentemente resistentes a antibióticos, podem, no entanto, ser vulneráveis a outros micróbios.
 
O novo probiótico foi testado pela equipa que o desenvolveu, da Universidade de Case Western Reserve e dos Hospitais Universitários do Complexo Médico Cleveland, ambos nos EUA. 
 
O composto foi desenvolvido num estudo anterior e consiste numa mistura que contém uma parte de fungos, três partes de bactérias e uma pequena quantidade de amílase (uma enzima que se encontra na saliva).
 
Para os ensaios, os investigadores cultivaram fungos (da espécie Candida) e bactérias (da espécie Escherichia coli e Serratia mercescens) em biofilmes que foram depois expostos ao probiótico desenvolvido. 
 
Trabalhos prévios da equipa tinham demonstrado que os intestinos de pacientes com doença de Crohn apresentam índices significativamente superiores daqueles tipos de fungos e de bactérias, que podem desencadear inflamação dolorosa.
 
Como resultado, a equipa observou que após terem sido expostos ao novo probiótico, os biofilmes tinham-se transformado em comunidades menos coesas, mais fracas e geralmente com uma menor espessura do que os biofilmes que não tinham sido tratados.
 
A equipa descobriu que o probiótico atuou através do enfraquecimento dos fungos que habitavam em biofilmes novos. O probiótico travou o crescimento dos fungos, que por sua vez não conseguiram formar estruturas reprodutoras que ajudariam a desenvolver e a expandir os biofilmes. 
 
Como conclusão, os investigadores consideram que a nova mistura de probióticos poderá ajudar a prevenir o desenvolvimento de biofilmes nocivos em pacientes com doença inflamatória do intestino ou com outras doenças gastrointestinais ou até cancro do cólon.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “mBio”