Novo nano medicamento para combater glaucomaNotícias de Saúde

Quinta, 05 de Junho de 2014 | 271 Visualizações

 

Cientistas de Singapura desenvolveram um novo nano medicamento para combater o glaucoma - uma das principais causas de cegueira a nível mundial. O tratamento, de libertação lenta, pode por fim às gotas diárias que estes pacientes têm que usar.

O tratamento consiste em milhares de nano cápsulas (mais pequenas do que uma partícula de pó) com medicamento que são injetadas diretamente, de forma indolor, no olho do paciente. O medicamento mantém-se no organismo e vai libertando lentamente o medicamento durante seis meses. 

As nano cápsulas desenvolvidas pela equipa do Singapore Eye Research Institute contém o medicamento anti glaucoma Latanoprost, que é um dos mais usados para tratar esta doença a nível internacional.

A nova terapia já foi testada com sucesso num estudo piloto que envolveu seis pacientes. O teste decorreu no Singapore National Eye Centre e alcançou resultados que a equipa classifica como “excecionais” em termos de segurança e eficácia. 

Sendo a principal causa de cegueira entre a população sénior, o glaucoma resulta da pressão intraocular que pode danificar o nervo ótico. A linha de tratamento mais convencional consiste na aplicação diária de gotas que reduzem a pressão intraocular. Este tratamento normalmente tem de ser aplicado para o resto da vida. 

Cientistas da Nanyang Technological University (NTU) e do Instituto de Investigação do Olho de Cingapura (SERI) 

A investigadora Tina Wong, que participou na investigação, salienta em comunicado de imprensa que muitas vezes os idosos esquecem-se de aplicar o medicamento o que reduz a eficácia do tratamento. Uma situação que, com o novo tratamento, seria contornada.

O nano medicamento vai em breve ser comercializado pela empresa NTU Provost, sendo que antes de chegar ao mercado o tratamento será testado em testes clínicos de larga escala.

Em Portugal são diagnosticados por ano mais de 150.000 casos de glaucoma. Todas as pessoas podem desenvolver glaucoma, mas existem alguns fatores de risco como a idade e a influência genética.

 

Partilhar esta notícia
Autor
Boas Notícias
Referência
Comunicado de Imprensa da Singapore National Eye Centre

Notícias Relacionadas