Novo método de reparação de danos no ADN induzidos pelo álcoolNotícias de Saúde

Segunda, 16 de Março de 2020 | 10 Visualizações

Fonte de imagem: SapoTesk

Cientistas do Instituto Hubrecht e do Laboratório de Biologia Molecular em Cambridge descobriram um novo mecanismo de reparação de ADN danificado pelo álcool. 
 
O alcetaldeído é formado com a metabolização do álcool e causa um tipo de dano perigoso no ADN, as ligações cruzadas do inter-filamento (ICL na sigla em inglês) que une dois filamentos de ADN. Isto obstrói a divisão de células e a produção de proteína, sendo que uma acumulação de danos ICL pode levar à morte de células e a cancro.
 
A primeira defesa contra ICLs causadas por acetaldeído é a enzima ALDH2 que o destrói antes de este causar danos. No entanto, nem toda a gente beneficia desta enzima, visto existirem mutações da mesma. Por este motivo foram investigadas segundas defesas contra ICLs induzidas pelo álcool, isto é, mecanismos que removem os danos do ADN. 
 
Durante esta investigação os cientistas usaram extratos de proteína de ovos da rã de unhas africana para estudarem estes mecanismos. Ao usarem estes extratos para repararem uma ICL formada por acetaldeído descobriram a existência de dois mecanismos que reparam danos ICL: a já conhecida via da Anemia de Fanconi e um novo método mais rápido.
 
Os dois métodos diferem, na medida em que na via da Anemia de Fanconi o ADN é cortado para a ICL ser removida, enquanto que as enzimas no novo método cortam a própria ligação cruzada.
 
A co-líder de investigação Puck Knipscheer afirmou que existem várias maneiras de o corpo reparar ICLs no ADN e que este tipo de investigação pode levar a um melhor entendimento de tratamentos para cancros relacionados com o consumo de álcool. 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “Nature”

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados