Nova esperança para o tratamento da surdezNotícias de Saúde

Quarta, 17 de Junho de 2015 | 380 Visualizações

Cada vez mais os avanços da ciência e medicina trazem ao horizonte possíveis tratamentos para algo dado como perdido, desta vez, os cientistas trazem esperança na recuperação da audição perdida.

Dentro do ouvido, coberto por pequenos pelos – os cílios – temos as chamadas células sensoriais, essenciais para a audição e para o equilíbrio do corpo. São essas células que ao serem danificadas, por não terem a capacidade de se regenerar espontaneamente, trazem consequências como a perda auditiva permanente.

Neste estudo publicado na revista Development, é explicado como os cientistas foram capazes de produzir novas células sensoriais a partir de células-embrião, capazes de dar origem a todos os tecidos do organismo.

 “Inserimos os três genes que codificam os fatores de transcrição em células estaminais embrionárias de ratinho e deixámos as células começarem a diferenciar-se”, explica Domingos Henrique, líder da equipa do Instituto de Medicina Molecular de Lisboa. “E mais de 70 por cento das células converteram-se diretamente em células ciliadas”.

Ou seja, com este cocktail , as células embrionárias foram capazes de originar células ciliadas do ouvido interno.

Estudos mais antigos já tinham sido bem-sucedidos a produzir células ciliadas no laboratório, mas através de um procedimento complexo e de baixo rendimento. Desta vez, a equipa constituída por membros do Instituto de Medicina Molecular de Lisboa, cujo laboratório está associado à Fundação Champalimaud, e colegas do University College de Londres (Reino Unido), conseguiu produzi-las através de uma nova técnica que afirmam ser mais simples e eficiente.

Domingos Henrique e Aida Costa, coautora do estudo, em comunicado da Fundação Champalimaud explicam que “a longo prazo, estas células também poderão ser um ponto de partida para desenvolver terapias de substituição destas células, com o objetivo final de restaurar as células ciliadas perdidas ou danificadas do ouvido interno”.

Partilhar esta notícia
Referência
Público