Nova conquista na produção de tecido humano em laboratórioNotícias de Saúde

Sábado, 12 de Janeiro de 2019 | 15 Visualizações

Uma equipa de investigadores conseguiu desenvolver um organoide cerebral, com tecnologia de ponta, que mimetiza o desenvolvimento do cérebro humano melhor que nunca.
 
Num estudo conduzido na Faculdade de Medicina da Universidade Case Western Reserve, EUA, a equipa construiu organoides cerebrais, em placas de Petri, que são esferas minúsculas que se organizam a si próprias e que agora contêm os tipos principais de células presentes num córtex cerebral humano. 
 
A tecnologia organoide tem revolucionado a possibilidade de os investigadores produzirem e estudarem tecido humano em laboratório. No entanto, os modelos do cérebro não estavam ainda completos até ao presente estudo. 
 
Paul Tesar, investigador neste estudo, explica a nova conquista neste estudo: “pegámos no sistema organoide e juntámos a terceiro maior tipo de célula do sistema nervoso central – os oligodendrócitos – e agora temos uma representação mais exata das interações celulares que ocorrem durante o desenvolvimento do cérebro humano”. 
 
Os oligodendrócitos são essenciais para um cérebro saudável pois produzem a mielina, que é a substância que reveste e suporta as ligações entre os neurónios. Sem a mielina, os neurónios deixam de poder comunicar de forma eficaz e podem deteriorar-se. Muitas doenças neurodegenerativas como a esclerose múltipla, e doenças genéticas raras pediátricas, são causadas por problemas com a mielina.
 
O novo desenvolvimento pode ser usado, não só para estudar as doenças neurológicas, mas também para testar medicamentos que promovem a produção da mielina. 
 
Adicionalmente, “o nosso método permite gerar tecido cerebral humano no laboratório a partir de qualquer paciente”, disse o investigador Paul Tesar. “De forma mais alargada, pode recapitular com exatidão a forma como o sistema nervoso se desenvolve e identificar o que corre mal em certas doenças neurológicas”. 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “Nature Methods”