Mulheres com pressão baixa aparentam ser mais jovensNotícias de Saúde

Quinta, 13 de Março de 2014 | 128 Visualizações

Foi descoberta uma ligação entre a baixa pressão sanguínea e a aparência mais jovem nas mulheres. Essa investigação sobre aparência e envelhecimento foi realizada por cientistas da Unilever e da Leiden University Medical Center, na Holanda, e revela que as mulheres que aparentam ser mais jovens tendem a ter baixa pressão sanguínea.

Um estudo designado "Leiden Longevity" da Unilever e da Leiden University Medical Center, na Holanda, revela que um envelhecimento mais tardio nas mulheres pode estar relacionado com a baixa tensão arterial. Isso significa também que o risco de contraírem doenças cardiovasculares é mais reduzido.

A investigação revela existir uma forte relação entre a idade aparente de uma pessoa e as doenças cardiovasculares - como um ataque cardíaco ou um enfarte.

Os Cientistas chegaram a esta conclusão depois de estudarem um grupo de mulheres - com base em fotografias do seu rosto - e verificarem que aquelas que corriam menor risco de contraírem doenças cardiovasculares aparentavam ser, no mínimo, dois anos mais novas.

David Gunn, cientista da Unilever, explicou terem identificado "que a pressão sanguínea nos conduzia à relação que existia entre a doença cardiovascular e a aparência. É a primeira vez que essa relação é comprovada".

Descobriram também que "a forma como a pressão sanguínea se manifesta no rosto de uma pessoa não é através de rugas, mas naquilo a que chamamos de 'pele flácida'. O mais interessante é que investigações futuras vão permitir localizar, em detalhe, no rosto, a pressão sanguínea de uma pessoa", acrescenta David Gunn.

O 'Leiden Longevity' envolveu irmãos com idades superiores a 89 anos, os seus descendentes e os parceiros destes (650 descendentes e parceiros). Para o estudo os cientistas analisaram a severidade do enrugar da pele nos braços e a sua idade aparente, usando um método que envolve fotografias faciais.

Partilhar esta notícia
Autor
DN
Referência
cientistas da Unilever e da Leiden University Medical Center, na Holanda

Notícias Relacionadas