Mitos ou Verdades da Corrida?Notícias de Saúde

Segunda, 08 de Junho de 2015 | 29 Visualizações

Existe uma série de comportamentos e hábitos que diariamente realizamos sem muitas vezes estarmos seguros dos seus reais efeitos. As razões que nos levam a praticar determinados atos são geralmente porque um amigo nos contou, ou outros corredores já experimentaram, ou simplesmente porque ouvimos falar ou lemos que um certo “craque” faz assim.

Por estas ou outras influências, somos induzidos a pôr em prática condutas que nem sempre acabam por atingir o objectivo desejado. A lista poderia ser bastante extensa, mas destaquei 5 tendências que vale a pena desenvolver e que fazem parte do dia-a-dia de muitos corredores.

• Gostas de correr em Jejum pois consideras que perdes peso com mais facilidade?

• Costumas tomar um café antes de ir correr com a esperança de perderes mais peso e te sentires mais estimulado?

• Corres sempre devagar porque as intensidades baixas é que te fazem perder gordura?

• Bebes regularmente bebidas alcoólicas porque te dá mais energia e previne os acidentes cardiovasculares?

• Utilizas meias de compressão para correr porque sentes que aumenta a tua performance e a tua recuperação? (Parte 5)

Como em tudo, não existem verdades absolutas e as experiências e relatos são vários em relação a estes assuntos. Existe também hoje em dia muita informação disponível sobre cada um destes temas, alguma que até pode ser contraditória. Ora vejamos:

As aumentam a performance e aceleram a recuperação – Mito ou verdade?

Tudo o que está relacionado com os equipamentos desportivos tem sempre uma certa dose de moda. As peças de equipamento de compressão têm vindo a ganhar o seu espaço no mercado e já não se resumem a um simples par de meias altas. Hoje em dia podes encontrar peças de compressão para as coxas, membros superiores e tronco. Mas qual o real efeito das peças de compressão e o que esteve na sua origem? O princípio técnico apoia-se sobre a pressão exercida na parte do corpo com peça de compressão como forma de acelerar e fluxo sanguíneo e favorecer o retorno venoso dos músculos. A ideia é portanto levar os músculos a melhor funcionar através de uma estimulação do retorno sanguíneo para uma remoção mais efectiva das toxinas originadas pelo esforço. Originalmente reservado a portadores de doenças circulatórias, este princípio remonta aos anos cinquenta e tem vindo a ser utilizado em diversas áreas da medicina, como por exemplo durante a gravidez, período durante o qual as pernas apresentam um inchaço acima do normal e com dificuldades particulares de circulação.

Para além do efeito procurado com a compressão durante o esforço, tem vindo a propagar-se uma gama de equipamentos vocacionados para a recuperação e termorregulação. Quanto aos primeiros, os efeitos não parecem ser para já evidentes, e o procurado aumento da velocidade de recuperação depois do esforço não está provado. Já no que diz respeito à termorregulação, parece ser benéfico favorecer as trocas térmicas, assegurando a evacuação da humidade e manutenção a temperatura. Neste caso estas peças também são conhecidas por “segunda pele” e tornam-se muito agradáveis nos dias particularmente frios. Uma das utilizações mais frequentes das meias de compressão acontece para voos de longa duração. O tempo prolongado de inactividade e a posição que obriga as pernas a estarem baixas levam geralmente a um inchaço dos pés e gémeos, que pode ser ligeiramente atenuado com o uso de meias adequadas.

Parece então que a utilização de algumas peças de compressão, nomeadamente as meias, pode ter alguns aspectos positivos durante o esforço, no entanto tudo vai depender muito da real qualidade do produto e da adequação da medida ao atleta, pois as meias de compressão têm de realmente fazer compressão para que sejam benéficas, sendo o aspecto estético apenas uma questão de moda.

Alguns conselhos para utilizares meias de compressão:

a. Informa-te junto de um médico se não existem contra indicações para que uses meias de compressão;

b. Assegura-te que compras a tua medida, sabendo que as boas marcas de meias têm vários tamanhos em altura e diâmetro;

c. Coloca sempre as meias de forma correcta, pois as zonas de maior compressão devem estar sobre a parte indicada;

d. Se adquirires meias sem a zona do pé, verifica que não estão demasiado apertadas em baixo na zona do tornozelo, pois por vezes podem causar demasiada pressão na zona do tendão de Aquiles;

e. Faz sempre uma primeira utilização num treino de curta duração e com intensidade baixa no sentido de verificares a forma como vais reagir e se as meias são adequadas para ti.

Sejam quais forem os teus hábitos, o que realmente importa é correres regularmente e tirares o maior prazer de cada .

A forma como o teu corpo reage a determinados treinos ou hábitos é muito individualizada, pelo que sugerimos experimentares e tirares tuas próprias conclusões.

Boas corridas!

Partilhar esta notícia
Referência