Mitos associados à saúde dos rinsNotícias de Saúde

Sábado, 12 de Março de 2016 | 529 Visualizações

Fonte de imagem: portalarcoiris

O Dia Mundial do Rim, que se celebra hoje, dia 10 de março, está prestes a terminar mas é importante desmistificar certas ideias que se têm sobre a saúde deste órgão.

Lifestyle ao Minuto conversou com o professor Aníbal Ferreira, presidente da Sociedade Portuguesa de Nefrologia, que desmistificou algumas ideias que se têm em relação à saúde dos rins.

Beber água ao longo do dia ou toda de uma vez é igual. O especialista explicou que é necessário ir bebendo, preferencialmente água ou chá, ao longo do dia para evitar que o filtrado renal seja muito concentrado. Ou seja, se passa muito tempo sem beber água o rim vai ser obrigado a fazer a filtragem mesmo sem ter um bom nível de líquido para o fazer, o que pode resultar numa maior passagem de iões, cálcio e oxalatos que podem depois provocar a formação de cálculos renais (as chamadas pedras nos rins).

Além de ser essencial para o bom funcionamento do rim, o Dr. Aníbal Ferreira destaca que a hidratação é ainda mais importante para manter o bom funcionamento de todo o corpoSó urinamos cerca de 1% do que bebemos e o nosso corpo e sangue absorvem a restante hidratação.

Beber muito antes de ir para a cama sobrecarrega os rins. Aníbal Ferreira destaca que este é um completo mito. E destaca, aliás, que regra geral “urinar mais vezes do que o costume durante a noite é um sinal de que os rins estão a funcionar pior e não de que bebeu demais”, este é um dos sinais de insuficiência renal e/ou patologia prostática.

Comer carne prejudica o bom funcionamento dos rins. Neste caso o especialista destaca que o segredo está na moderação. Ou seja, não é por comer carne que vai ter insuficiência renal ou pedras nos rins. Mas, claro, se esse consumo for excessivo, contínuo e persistente, os filtros renais são obrigados a fazer um esforço extra. É essencial manter uma dieta equilibrada é essencial para manter a saúde de todo o corpo.  

Há chás que ajudam a eliminar ou combater as pedras nos rins. O Dr. Aníbal Ferreira começa por destacar que a litíase renal (presença de cálculos renais) e as cólicas renais são frequentes em condutores de longo curso, pessoas que passam longos períodos sem beber, que têm tendência para ter ácido úrico elevado ou infecções urinárias recorrentes. E ressalva que chás e ‘mezinhas’ podem ter algum efeito na saúde do rim, apenas porque fazem com que a pessoa aumente a ingestão de líquidos. O que estabiliza o desenvolvimento dos cálculos.

Ainda assim destaca que é essencial perceber o desequilíbrio que levou à formação desses cálculos para o poder corrigir e depois tratar cada doente de acordo com o seu caso. 

Partilhar esta notícia
Referência

Notícias Relacionadas