Menos TV e pequeno-almoço energético favorecem o coraçãoNotícias de Saúde

Quarta, 13 de Março de 2019 | 3 Visualizações

Fonte de imagem: SBS

Ver menos televisão e tomar um pequeno-almoço rico em energia fazem diminuir o risco de doenças cardíacas, acidente vascular cerebral (AVC) e reduz a quantidade de placa acumulada nas artérias, atestou uma equipa de investigadores.
 
A equipa, liderada por Sotirios Tsalamandris da Universidade Nacional Capodistriana de Atenas, Grécia, conduziu um estudo dividido em duas partes.
 
Na primeira parte do estudo, a equipa avaliou marcadores de saúde cardiovascular e estilo de vida de 2.000 adultos gregos com idades entre os 40 e os 99 anos. Os participantes incluíam pacientes com doença cardíaca ou que estavam em risco de a desenvolver e ainda indivíduos saudáveis.
 
Os marcadores cardiovasculares analisados foram a velocidade da onda de pulso arterial, que deteta a aterosclerose, e a espessura das paredes das artérias, que indica a acumulação de placa e risco de AVC. 
 
Os participantes foram divididos em três grupos: o grupo reduzido, que incluía pessoas que viam sete horas ou menos de televisão por semana; o grupo moderado, com quem via entre sete e 21 horas por semana; e o grupo elevado em que se passava mais de 21 horas semanais em frente ao pequeno ecrã.
 
Os investigadores descobriram que os participantes do grupo elevado apresentavam o dobro da possibilidade de terem acumulação de placa nas artérias, 68% mais de terem hipertensão e 50% mais de diabetes em relação ao grupo reduzido.
 
A segunda parte do estudo dividiu os participantes em grupos, conforme as calorias consumidas ao pequeno-almoço.
 
O pequeno-almoço rico em energia continha 20% do aparte calórico diário, incluindo alimentos como queijo, leite, pão, cereais e mel; o pequeno-almoço de pouca energia, oferecia 5 a 20% do aporte calórico diário e incluía leite magro ou café, com pão com manteiga, azeitonas, mel ou fruta; finalmente, um grupo de participantes não tomava o pequeno-almoço. 
 
Os participantes que tomavam regularmente um pequeno-almoço rico em energia eram mais propensos a apresentarem artérias mais saudáveis do que os participantes dos outros dois grupos. 
 
Contudo, os autores acentuaram que quase todos os participantes seguiam uma dieta mediterrânica e que, portanto, os resultados poderão não se aplicar à generalidade da população e que os alimentos consumidos no grupo calórico poderão ter um efeito protetor cardiovascular.   

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo apresentado na Sessão Científica do Colégio Americano de Cardiologia