Menopausa: consumo de álcool provoca maior perda muscularNotícias de Saúde

Sábado, 10 de Junho de 2017 | 95 Visualizações

Fonte de imagem: Ask Doctor K

O consumo de bebidas alcoólicas por mulheres na menopausa está associado a uma maior prevalência de sarcopénia, indicou um novo estudo.
 
A sarcopénia consiste na perda de massa e força muscular, o que afeta o equilíbrio, a marcha, bem como a capacidade geral de desempenhar as tarefas do dia-a-dia.
 
Para o estudo, uma equipa de investigadores da Sociedade Norte-Americana da Menopausa (NAMS, na sua abreviatura em inglês), EUA, contou com a participação de 2.373 mulheres, com uma mediana de idades de 62,4 anos, e que se encontravam na fase da pós-menopausa.
 
Foi detetada sarcopénia em 8,2% das participantes. As mulheres foram divididas em três grupos, segundo os padrões de consumo de bebidas alcoólicas das mesmas (avaliados através do Teste de Identificação dos Transtornos do Uso de Álcool).
 
O consumo de alto risco de bebidas alcoólicas foi determinado através do relato pessoal sobre a quantidade e frequência do consumo de bebidas alcoólicas, em combinação com a falta de controlo percebida relativamente ao consumo das mesmas, assim como falhas de memória e acidentes relacionados com as bebidas alcoólicas. 
 
Os resultados revelaram que a prevalência de sarcopénia era quase quatro vezes superior no grupo de alto risco devido ao consumo de bebidas alcoólicas do que no grupo de baixo risco. 
 
As mulheres do grupo de alto-risco eram bastante mais jovens, apresentavam maiores possibilidades de serem fumadoras e de terem piores níveis de colesterol total e de tensão arterial. 
 
“Estudos pré-clínicos sugerem que existe um possível benefício no tratamento com estrogénio combinado com exercício físico para aumentar a força e desempenho e prevenir a perda de massa muscular, mas o papel desempenhado pelo estrogénio na massa muscular em mulheres na pós-menopausa não é ainda evidente”, disse JoAnn Pinkerton, diretora executiva da NAMS. 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na “Menopause”

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados