Luz azul pode reduzir a tensão arterialNotícias de Saúde

Terça, 13 de Novembro de 2018 | 35 Visualizações

Fonte de imagem: University of Oxford

A exposição à luz azul faz diminuir a tensão arterial, reduzindo o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, indicou um novo estudo.
 
Ao contrário dos raios emitidos pela luz ultravioleta (UV), a luz azul não é carcinogénica.
 
Conduzido em colaboração por investigadores britânicos e alemães, o estudo contou com a participação de 14 homens que foram expostos, durante trinta minutos, a luz azul por todo o corpo, cuja dose era comparável à luz solar recebida diariamente. Seguidamente, os homens foram expostos a uma luz diferente (controlo).
 
Para avaliarem o impacto da exposição a ambos os tipos de luz, os investigadores mediram a tensão arterial, a rigidez arterial, a dilatação dos vasos sanguíneos e os níveis de óxido nítrico no plasma sanguíneo dos participantes, antes, durante e duas horas após a radiação.
 
Os investigadores descobriram que a exposição à luz azul fez reduzir, de forma significativa, a tensão arterial sistólica dos participantes em quase 8 mmHg, em comparação com a luz de controlo, que não exerceu nenhum impacto.
 
A equipa referiu que a redução na tensão arterial dos participantes é semelhante à observada em ensaios clínicos com fármacos para baixar a tensão arterial.
 
Além dos benefícios em termos de descida da tensão arterial, a luz azul fez melhorar outros marcadores de risco cardiovascular, incluindo rigidez arterial e o relaxamento dos vasos sanguíneos. 
 
A exposição à luz azul fez ainda aumentar os níveis de óxido nítrico, uma importante molécula sinalizadora que protege o sistema cardiovascular. Os investigadores acham que a luz azul se liberta da pele, entrando no fluxo sanguíneo, onde dilata os vasos sanguíneos, aumentando o fluxo do sangue e diminuindo a tensão arterial.
 
Estes achados contribuem para considerar a utilização daquela luz para prevenir doenças cardiovasculares.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na “European Journal of Preventive Cardiology”