Isolamento social mataNotícias de Saúde

Segunda, 25 de Abril de 2016 | 197 Visualizações

Fonte de imagem: Pixabay

O risco de doença cardíaca, AVC e morte é equivalente e, em muitos casos, excede o de outros fatores, como o tabagismo, obesidade, pressão alta e qualidade do ar.

As pessoas solitárias e isoladas enfrentam um risco mais elevado de contrair doenças cardíacas e/ou um acidente vascular cerebral (AVC), segundo um estudo publicado no jornal ‘Heart’.

O isolamento social exerce o mesmo nível de influência sobre os fatores de risco de se ter problemas de saúde cardíacos tais como a ansiedade e o stress no trabalho.

A verdade é que mais depressa se toma em conta a obesidade e a inatividade física como um fator de risco direto para sofrer de doenças cardiovasculares e raramente se considera o isolamento social e a solidão como um desses fatores. Este estudo não prova realmente que a solidão e o isolamento social causam problemas cardíacos ou acidentes vasculares cerebrais, apenas faz uma associação.

Para o estudo,  Nicole Valtorta, autora líder do estudo, e os seus colegas analisaram dados de 23 estudos publicados anteriormente que perfazem, no total, mais 180.000 adultos incluídos, dos quais mais de 4,600 tiveram ataques cardíacos, angina ou morreram e mais de 3 mil sofreram um AVC.

Os dados obtidos demonstraram que a solidão e o isolamento social foram associados a 29% de maior risco de ataque cardíaco ou ataque de angina e um aumento do risco de ter um AVC de 32%.

Segundo investigações anteriores, a solidão está intimamente ligada com um sistema imunitário enfraquecido, pressão arterial elevada e morte prematura.

Sair de um estado de isolamento para uma vida socialmente ativa não é tarefa fácil, mas Julianne Holt-Lunstad, professora de psicologia e neurociência na Universidade Brigham Young, acredita que conectar com pessoas através da internet, no Facebook e noutras redes sociais, pode ser uma boa ajuda. No entanto, «pode não ter os mesmos benefícios que um verdadeiro contacto frente-a-frente, mas ainda é muito cedo para dizer», disse a psicóloga em declarações à revista ‘Health’.

Segundo o estudo, os sentimentos de solidão podem ter uma influência direta sobre os processos fisiológicos relevantes para a saúde do coração, pois pode aumentar a pressão arterial e aumentar a inflamação. Posteriormente, pode aumentar o risco de aterosclerose (endurecimento das artérias) e, por fim, um ataque cardíaco.

«Ser socialmente conectado também pode influenciar indiretamente a saúde, incentivando comportamentos saudáveis e melhor adesão ao tratamento médico, como tomar medicamentos e manter compromissos», frisou Holt-Lunstad.

Partilhar esta notícia
Referência