Iogurte pode reduzir risco de adenomas pré-malignos em homensNotícias de Saúde

Terça, 25 de Junho de 2019 | sem visualizações

Fonte de imagem: The Splendid Table

Consumir duas porções ou mais de iogurte por semana pode ajudar a reduzir o risco de desenvolvimento de lesões (adenomas), que precedem o desenvolvimento de cancro do cólon, em homens.
 
Num estudo conduzido por uma equipa de investigadores da Universidade de Harvard, nos EUA, e outras instituições académicas, foi ainda detetada uma associação mais pronunciada em adenomas com grande possibilidade de se tornarem cancerígenos e os localizados no cólon em vez do reto.
 
Estudos anteriores tinham já sugerido que o consumo de muito iogurte poderia reduzir o risco de cancro do cólon através da alteração no tipo e volume do microbioma intestinal, mas não se sabia se haveria uma associação com um menor risco de adenomas.
 
Para a sua investigação, a equipa analisou a alimentação e subsequente desenvolvimento de diferentes tipos de adenomas em 32.606 homens que integravam o Estudo de Acompanhamento dos Profissionais de Saúde (“Health Professionals Follow Up Study”) e 55.743 mulheres participantes no Estudo da Saúde das Enfermeiras (“Nurses Health Study”), ambos dos EUA.
 
Todos os participantes tinham sido submetidos a colonoscopias entre 1986 e 2012. De quatro em quatro anos, os participantes prestavam ainda informação relativa ao seu estilo de vida e alimentação, incluindo a quantidade de iogurte consumida.
 
No decorrer do período do estudo, desenvolveram-se 5.811 adenomas nos homens e 8.116 nas mulheres. 
 
Em relação aos homens que não consumiam iogurte, os que ingeriam duas ou mais porções por semana eram 19% menos propensos a desenvolverem um adenoma convencional. A redução do risco era mais pronunciada (26%) para adenomas com grande risco de se tornarem cancerígenos e os localizados no cólon.
 
Por outro lado, não foi identificada uma associação entre o consumo de iogurte e um menor risco de adenomas em mulheres. 
 
Os investigadores sublinharam que este estudo é de natureza observacional e, portanto, não estabelece uma causa e efeito. Porém, o elevado número de participantes e atualizações regulares na alimentação e estilo de vida dos mesmos pesam nos achados, acrescentaram.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “Gut”

Info-Saúde Relacionados