Intervenção dos enfermeiros em saúde mental melhora ansiedadeNotícias de Saúde

Quarta, 07 de Fevereiro de 2018 | 5 Visualizações

Fonte de imagem: Reader's Digest

Um estudo concluiu que a intervenção de enfermeiros especialistas em saúde mental, aliada à medicação, é significativamente mais eficaz a reduzir os níveis de ansiedade quando comparada com o tratamento apenas com medicamentos.
 
A investigação, a que a Lusa teve acesso, foi realizada por um grupo de investigadores do CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde e da Escola Superior de Enfermagem do Porto e pretendia avaliar a eficácia da intervenção psicoterapêutica da Enfermagem em adultos portugueses entre os 18 e os 64 anos com ansiedade, enquanto sintoma, em níveis patológicos.
 
Os resultados indicam um “efeito positivo da intervenção psicoterapêutica da enfermagem”, realizada por um enfermeiro especialista em saúde mental, registando-se uma clara diminuição dos níveis de ansiedade e um aumento do autocontrolo da ansiedade no final das cinco sessões (45 a 60 minutos/semana) realizadas em cinco semanas consecutivas.
 
Francisco Sampaio, investigador do CINTESIS, esclareceu que “os indivíduos que receberam apenas farmacoterapia melhoraram a ansiedade, mas não melhoraram o seu autocontrolo, enquanto os que receberam farmacoterapia e intervenção psicoterapêutica melhoraram mais significativamente os níveis de ansiedade e melhoraram também significativamente o autocontrolo da ansiedade”.
 
“Isto é fundamental porque, se as pessoas não adquirem estratégias de autocontrolo da ansiedade, no futuro não serão capazes de lidar com a mesma sem o recurso a fármacos”, sublinha o investigador.
 
Neste estudo, a intervenção psicoterapêutica de enfermagem é composta por um conjunto de técnicas, que podem incluir, “entre outras, terapia de relaxamento, aconselhamento e intervenção em crise”.
 
Dados da Direção-Geral da Saúde, de 2013, indicam que as perturbações da ansiedade afetam 16,5% dos portugueses. Porém, de acordo com os investigadores, “a ansiedade patológica, enquanto sintoma, não existe apenas nas perturbações de ansiedade. É muito frequente, por exemplo, nas perturbações depressivas, que afetam 7,9% dos portugueses”.
 
Feitas as contas, calcula-se que cerca de um quarto da população tenha ansiedade em níveis patológicos, um número que, ainda assim, pode estar “subestimado”, acrescentam.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado no “Journal of Advanced Nursing”

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados