Insulina “inteligente” previne hipoglicemia na diabetesNotícias de Saúde

Sexta, 24 de Maio de 2019 | 48 Visualizações

Fonte de imagem: Harvard Health

Uma equipa de investigadores desenvolveu um novo tipo de insulina que pode ajudar na prevenção de episódios de hipoglicemia em pacientes que usam fármacos para gerir a diabetes.
 
O novo tratamento, que foi denominado “i-insulina” foi desenvolvido pela Universidade da Califórnia em Los Angeles, EUA, e demonstrou evitar que os níveis de açúcar no sangue baixassem demasiado.
 
A insulina atua como uma espécie de chave que ajuda a glicose a aceder às células a partir do fluxo sanguíneo. 
 
Quando a insulina adere à superfície celular, ativa uma proteína no interior da célula, conhecida como transportador de glicose, que se desloca para a superfície da célula. Esta molécula transporta depois a glicose envolvente, do sangue para a célula.
 
Os investigadores neste estudo acrescentaram uma molécula adicional à insulina para criar a nova insulina “inteligente”. 
 
Esta molécula adicional, que é conhecida como inibidor de transportador, bloqueia quimicamente a molécula transportadora de glicose que vem à superfície. A sua presença não evita o acesso de toda a glicose, nem bloqueia permanentemente as moléculas transportadoras. Em vez disso, torna-se parte de um processo dinâmico que depende de quantos inibidores e moléculas de glicose estão presentes.
 
“A insulina permite que a glicose entre na célula, mas a molécula inibidora adicionada previne que entre em demasia quando o açúcar no sangue está normal. Isto mantém o açúcar a níveis normais e reduz o risco de hipoglicemia”, explicou Zhen Gu, principal investigador do estudo.
 
“Esta i-insulina pode também responder rapidamente a níveis elevados de glicose”, acrescentou Jinqiang Wang, coautor principal do estudo. “Por exemplo, após uma refeição, quando sobem os níveis de glicose, o nível de insulina na corrente sanguínea também aumenta rapidamente, o que ajuda a normalizar o nível de glicose”, concluiu.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “Proceedings of the National Academy of Sciences”

Notícias Relacionadas