Idosos mais fortes com melhores resultados em cuidados intensivosNotícias de Saúde

Segunda, 22 de Janeiro de 2018 | 9 Visualizações

Fonte de imagem: Congressman Matt Cartwright

Os idosos que revelam mais força e capacidade física, antes de serem internados em unidades de cuidados intensivos, apresentam melhores resultados de hospitalização, indicou um novo estudo.
 
Como se sabe, as pessoas mais idosas correm um maior risco de sofrerem doenças graves que requerem hospitalização nos cuidados intensivos, como sépsis, ataque do miocárdio ou pneumonia severa.
 
O estudo, conduzido por investigadores de várias instituições clínicas e académicas norte-americanas, procurou determinar a influência da força das pessoas idosas nos resultados do internamento.
 
Para o estudo, a equipa recrutou 575 adultos, com idades compreendidas entre os 70 e os 79 anos de idade e que tinham sido internados em unidades de cuidados intensivos uma ou mais vezes.
 
Os participantes tinham efetuado testes de força no espaço de dois anos antes do internamento na unidade de cuidados intensivos. Os testes incluíam caminhar 20 metro, levantarem-se de uma cadeira repetidamente e ainda uma avaliação do equilíbrio e força de preensão.
 
Foi verificado que os participantes que se locomoviam mais lentamente apresentavam um risco 80% mais elevado de morrerem 30 dias após o internamento na unidade de cuidados intensivos e o dobro do risco de morrerem num ano após o internamento em comparação com os mais rápidos.
 
Os participantes com o pior equilíbrio apresentavam um risco 77% maior de morrerem 30 dias após serem admitidos no hospital, em relação aos que tinham demonstrado maior rapidez de locomoção.
 
Finalmente, nos idosos que tinham revelado um equilíbrio “moderado”, o risco de morte 30 dias após serem internados nos cuidados intensivos era 52% mais elevado. 
 
Os investigadores descobriram ainda que os idosos que eram mais fracos tinham permanecido mais tempo hospitalizados. 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na “Journal of the American Geriatrics Society”

Notícias Relacionadas