Flora intestinal determina quanto peso podemos perderNotícias de Saúde

Terça, 19 de Setembro de 2017 | 34 Visualizações

Fonte de imagem: PEBMED

Um estudo dinamarquês revelou que a proporção de algumas bactérias nos intestinos pode ser responsável pela quantidade de peso que conseguimos perder e em que circunstâncias. As recomendações sobre regimes alimentares orientadas para toda a população podem, portanto, não ser tão eficazes do que se pensava. 
 
Nos últimos anos foram feitos muitos estudos sobre o papel da flora intestinal na saúde em geral e especialmente no contexto de distúrbios metabólicos, como a obesidade. Agora, um estudo do Departamento de Nutrição, Exercício Físico e Desporto da Universidade de Copenhague, Dinamarca, examina como o nosso microbioma intestinal pode esclarecer se podemos ou não – e até que ponto – perder peso enquanto seguimos as recomendações de uma dieta particular. 
 
Como explica Arne Astrup, coautor do estudo, “as bactérias intestinais dos homens têm sido associadas ao aumento da prevalência do excesso de peso e da obesidade e os cientistas começaram a investigar se as bactérias intestinais podem desempenhar um papel no tratamento do excesso de peso”. 
 
“Mas só agora se obteve um avanço quando se demonstrou que certas bactérias têm um papel decisivo na regulação e perda de peso”, acrescentou o autor deste estudo, que foi recentemente publicado na revista “International Journal of Obesity”.
 
Para o estudo foram recrutados 54 participantes. Destes, 31 seguiram a Nova Dieta Nórdica, que é um conjunto de orientações da dieta nacional dinamarquesa que promovem “fruta, vegetais, fibras e cereais integrais”. O objetivo desta dieta é ajudar a eliminar o excesso de peso e manter um índice de massa corporal (IMC) saudável. Os outros 23 participantes seguiram a Dieta Dinamarquesa Normal, que geralmente inclui mais carne e alimentos processados. 
 
Todos os participantes cumpriram as dietas respetivas durante 26 semanas. No fim deste período, os 31 indivíduos da Nova Dieta Nórdica perderam em média 3.5 kg, enquanto os outros 23 perderam 1.7 kg. 
 
Contudo, apesar de a Nova Dieta Nórdica ter sido mais eficaz na promoção da perda de peso que a Dieta Dinamarquesa Normal, os investigadores observaram que os perfis individuais de flora intestinal dos participantes tinham um papel importante.
 
A equipa de Arne Astrup verificou que os participantes que tinham um rácio mais elevado entre as bactérias Prevotella e Bacteroides perdiam mais peso quando seguiam a Nova Dieta Nórdica do que quando seguiam a Dieta Dinamarquesa Normal.
 
Simultaneamente, as pessoas com um rácio baixo entre as mesmas bactérias não perdiam mais peso quando seguiam a Nova Dieta Nórdica. Os investigadores também notaram que cerca de metade da população tinha uma proporção Prevotella/Bacteroides elevada. 
 
Em conclusão, a equipa explicou que apenas 50% da população poderá perder o excesso de peso seguindo as recomendações da Nova Dieta Nórdica, enquanto a restante metade não será afetada por essa dieta. 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “International Journal of Obesity”