Festividades de Natal associadas a hipercolesterolémiaNotícias de Saúde

Sexta, 04 de Janeiro de 2019 | 4 Visualizações

Fonte de imagem: PC Medical

Um estudo recente demonstrou que os dinamarqueses apresentam níveis de colesterol 20% mais elevados a seguir ao período de Natal e em relação ao Verão.
 
Conduzido por investigadores do departamento de Medicina Clínica da Universidade de Copenhaga e do Hospital Universitário de Copenhaga, Dinamarca, o estudo de natureza observacional contou com a participação de 25.764 dinamarqueses com idades compreendidas entre os 20 e os 100 anos, que tiveram o colesterol medido durante a primeira semana de janeiro.
 
Para efeitos do estudo, o colesterol elevado (hipercolesterolémia) foi considerado ser um valor superior a 193 mg/dL no colesterol total, ou superior a 116 mg/dL no colesterol LDL (ou mau colesterol), em comparação com medições efetuadas durante o resto do ano.
 
Como resultado, a equipa observou que 77% dos participantes apresentavam níveis de colesterol LDL acima dos 116 mg/dL e 89% apresentavam colesterol total acima dos 193 mg/dL.
 
Estas medições correspondem a um aumento de seis vezes no rácio de hipercolesterolémia em relação a outras épocas do ano.
 
“O nosso estudo indica fortemente que os níveis de colesterol são influenciados pelos alimentos ricos em gordura que consumimos quando celebramos o Natal. O facto de tantas pessoas terem medições de colesterol elevadas logo após as férias de Natal é muito surpreendente”, comentou Anne Langset, coautora do estudo.
 
“De qualquer forma, existe um maior risco de descobrir que tem um colesterol elevado se for ao médico e medir o colesterol imediatamente após o Natal. É importante ter noção disto, tanto para os médicos que tratam o colesterol alto como para  aqueles que desejam manter os seus níveis de colesterol baixos”, recomendou Signe Vedel-Krogh, outra autora deste estudo.
 
A equipa recomenda assim que quem medir o colesterol logo após o Natal e tiver índices elevados,  repita a análise uns meses mais tarde.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “Atherosclerosis”